Escândalo dos pastores é mais um capítulo nos crimes de Bolsonaro - Plataforma Media

Escândalo dos pastores é mais um capítulo nos crimes de Bolsonaro

Há dois anos e dois meses, a Polícia Federal era arrastada para a crise do governo Bolsonaro enquanto Sergio Moro anunciava que estava de saída do Ministério da Justiça devido a tentativas de interferência de Jair Bolsonaro na corporação. A denúncia não intimidou o presidente. O efeito, na realidade, foi o inverso. O capitão, que se gaba de ter a caneta Bic, ampliou os tentáculos sobre a instituição e não pestanejou em retaliar delegados que avançaram sobre os protegidos do Planalto, com a exoneração de diversos profissionais de cargos de chefia. Agora, a ingerência política ganhou contornos ainda mais graves na investigação do balcão de negócios do Ministério da Educação — o grampo telefônico em que Milton Ribeiro afirma ter sido alertado por Bolsonaro sobre a possibilidade de ser alvo de mandados de busca e apreensão é a mais contundente prova já revelada sobre o aparelhamento da PF.

A gravação aumentou os apuros de Bolsonaro, que está acuado por múltiplos escândalos a três meses das eleições. De um lado, a oposição ganhou o impulso necessário para a abertura de uma CPI no Senado para apurar crimes na pasta, o que deve fazer o presidente sangrar durante toda a campanha eleitoral. Ela pode demonstrar que o governo está, sim, contaminado pela corrupção sistêmica. Em alerta pelos prováveis danos ao projeto de reeleição, o Planalto reagiu: abriu os cofres para o pagamento de emendas do orçamento secreto, em um total de R$ 4,3 bilhões nos cinco dias posteriores à prisão de Ribeiro, segundo a ONG Contas Abertas, e movimentou a base para cobrar respeito à ordem cronológica de requerimentos na instalação de CPIs pendentes, com base em uma regra que nem sequer é prevista no regimento interno.

As duas estratégias falharam. Rodrigo Pacheco sinalizou que vai instaurar na semana que vem, ao mesmo tempo, todas as comissões. Ele avalia ampliar o escopo da CPI do MEC para incluir a apuração sobre obras inacabadas nas gestões do PT, como pediu a base do governo. Isso representa uma colher de chá para Bolsonaro, mas ainda assim é uma péssima notícia: seus adversários políticos serão maioria na comissão. Para eles, o desafio será evitar que o canto da sereia governista seduza congressistas durante o funcionamento da comissão e bloqueie as investigações. “A oposição no Senado está ciente de que, até agosto, quando a CPI for aberta, Bolsonaro vai operar. O governo tem muito poder e pode fazer promessas com o orçamento secreto. Todos sabemos que o assédio é constante”, avalia o deputado Israel Batista, autor de uma das quatro notícias-crime que chegaram ao STF pela interferência na PF.

Leia mais em Istoé

Related posts
BrasilPolítica

52% afirmam nunca confiar em nada do que diz Bolsonaro

BrasilPolítica

Hungria ofereceu ajuda para reeleição de Bolsonaro

BrasilPolítica

"Bolsonaro quer fazer uma festa dele" nos 200 anos da Independência

BrasilPolítica

Procuradoria pede arquivo de queixas contra Bolsonaro na gestão pandémica

Assine nossa Newsletter