Início Atualidade Guerra na Ucrânia pode ser oportunidade para a indústria

Guerra na Ucrânia pode ser oportunidade para a indústria

A guerra na Ucrânia provoca “efeitos devastadores” no curto prazo, mas trará, mais à frente, oportunidades, afirma o CEO da Efacec, que admite que as empresas portuguesas têm os recursos necessários para responder aos desafios que se colocam à Europa, designadamente, ao nível da diversificação das fontes energéticas e da reindustrialização da Europa.”Portugal é um país com fontes renováveis diversas, o sol, a água, o vento, e as nossas experiências podem ser exportadas. Mesmo até do ponto de vista das redes de distribuição de gás natural, Portugal tem uma situação que lhe permite diversificar as suas fontes e que pode partilhá-las com os europeus, naturalmente com as limitações da dimensão do país”, defende Ângelo Ramalho, que falou ao DN/Dinheiro Vivo à margem da Hannover Messe, a maior feira de indústria e tecnologia do mundo e que hoje termina na Alemanha.

Além disso, e no que à reindustrialização diz respeito, o gestor acredita que Portugal terá um papel importante a desempenhar neste domínio. “É uma realidade que já se vivia antes, mas que hoje foi acelerada, com um regresso a casa das indústrias que nos anos 70 e 80 foram deslocalizadas. Claro que não vêm nos mesmos pressupostos em que saíram, porque hoje fala-se em indústria 4.0 e no digital, mas isso é uma oportunidade para um país como o nosso”, afirma. “A Efacec vai, não tenho dúvidas, aproveitar deste potencial naquilo que é o seu interesse imediato, enquadrando-se naturalmente no ecossistema do seu país, que saberá, de forma inteligente, e aqui falo de inteligência coletiva, tirar partido disso”, acrescenta.

Sobre a presença na feira, Ângelo Ramalho destaca a aposta “muito forte” da Efacec nos mercados do centro e norte da Europa, mercados “sofisticados e competitivos”, mas onde a empresa portuguesa está focada em “demonstrar as suas valências e competências”, nos produtos e soluções que desenvolve na área da energia, ambiente e mobilidade. E dá o exemplo do metro de Odense, na Dinamarca, inaugurado no passado fim de semana.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!