Dois leões e dois tigres ucranianos refugiados na Holanda -

Dois leões e dois tigres ucranianos refugiados na Holanda

Dois leões e dois tigres ucranianos chegaram neste sábado(19) a um abrigo no norte da Holanda, informou a organização que os recolheu na fronteira Ucrânia-Polônia. 

“São dois leões machos, de 3 anos e meio e 1 ano e meio, respectivamente, um tigre macho de 6 meses e uma tigresa de 5 anos”, postou no Facebook a associação “Stichting Leeuw” (Fundação do Leão) que recuperou os felinos na noite de sexta-feira. 

Os animais estão “gravemente traumatizados” e desnutridos, disse o diretor da organização, Robert Kruijff, à AFP, estimando que eles podem estar sem alimentação por uma ou duas semanas. 

Os felinos fizeram uma “longa” viagem antes de chegar à Polônia em um ônibus cheio de animais ucranianos, disse ele.

O diretor não sabe de onde eles vieram na Ucrânia, nem como se desenrolou a jornada pelo país devastado pela guerra.

A tigresa está, segundo a organização, em piores condições. “Não sabemos se vai sobreviver”, lamentou Kruijff. 

Os quatro refugiados devem permanecer em quarentena por um mês no abrigo da organização na cidade de Anna Paulowna, no norte da Holanda. 

Seu destino final é uma reserva na África do Sul, mas primeiro eles terão que recuperar suas forças, o que pode levar um ano ou dois, estima Kruijff. 

A transferência de animais foi organizada pelo Zoológico de Poznan, no oeste da Polônia, observou. 

Seis leões, tigres e outros felinos da Ucrânia foram evacuados no início de março para abrigos na Espanha e na Bélgica após uma perigosa viagem de caminhão, cruzando tanques russos e desviando áreas bombardeadas, segundo as associações que os recolheram.

Artigos relacionados
AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

LifestyleSociedade

Julian Seyfarth posta foto nua para arrecadar dinheiro para a Ucrânia

Política

Russa "Tio Vânia" poderá substituir McDonald´s naquele país

Sociedade

Carrinhos de bebé vazios simbolizam crianças mortas na guerra

Política

UE tem dados "credíveis" de que a China pondera dar apoio militar à Rússia

Assine nossa Newsletter