Emirados investem mil milhões em Angola - Plataforma Media

Emirados investem mil milhões em Angola

João Baptista Borges falava à imprensa a propósito da assinatura, na segunda-feira, de um memorando de entendimento entre o Ministério da Energia e Águas de Angola e a empresa “Masdar”, que estará encarregada de construir os referidos parques solares.

O ministro esclareceu que o memorando de entendimento tem em vista o desenvolvimento de projectos concretos, mediante os quais serão assinados contratos comerciais que irão permitir que a Masdar, que faz a gestão de energias renováveis nos Emirados Árabes Unidos (EAU), invista, directamente, na construção de parques solares em Angola.

“Eles têm um pacote inicial de cerca de mil milhões de dólares para a construção destes parques para energias renováveis que, no fundo, depois, vão ser absorvidas para o consumo da população e de empreendimentos económicos no país”, adiantou.

Entre os beneficiários directos do projecto, João Baptista Borges apontou, por exemplo, a região Leste do país, nomeadamente as províncias do Moxico e as Lundas Norte e Sul, onde actualmente ainda há um grande défice na produção de energia, principalmente para satisfazer as necessidades mineiras. “Estes investimentos são, no fundo, soluções viáveis que vão permitir atender essas necessidades, fornecendo energia a preços mais baratos comparativamente aos actuais”, garantiu.

Além da zona Leste, o ministro disse haver, no âmbito das energias renováveis, um atlas com uma lista com todos os projectos que o Executivo pretende desenvolver, quer no domínio solar, quer eólico ou hídrico. Segundo João Baptista Borges, é em função deste atlas que se vai detalhando os projectos e analisando a sua viabilidade.

“A nossa meta é universalizar o acesso à energia eléctrica”, garantiu o governante, sublinhando que, actualmente, apenas entre 42 e 43 por cento da população tem acesso à energia. “Quer dizer que a maior parte não tem e vive, maioritariamente, no interior. Universalizar significa promover o acesso à energia a mais de 15 milhões de pessoas e é isso que pretendemos”, comprometeu-se.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter