ALBA propõe autossuficiência alimentar e médica nos 10 países membros

ALBA propõe autossuficiência alimentar e médica nos 10 países membros

A vigésima cimeira da ALBA-TCP terminou esta terça-feira em Havana com um plano pós-pandemia que busca a autossuficiência alimentar e medicamentosa aos países-membros, que criticaram fortemente os EUA pelo seu “egoísmo político” em tempos de covid-19

O grande desafio é promover “um comércio poderoso (entre os países) ao lado de projetos de desenvolvimento econômico comum”, disse o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em entrevista à imprensa ao chegar ao encontro.

“Nossos povos já têm elementos avançados de um estado de bem-estar, mas para sustentá-lo precisamos produzir riqueza, para distribuir a riqueza devemos produzi-la”, acrescentou Maduro.

A cúpula aprovou um plano de trabalho pós-pandemia 2022 “para relançar a agenda econômica, comercial e financeira da ALBA-TCP” e construir uma estratégia de “desenvolvimento integral”, informou o secretário executivo do fórum, o boliviano Sacha Llorenti.

Ao inaugurar a cúpula da Aliança para os Povos da Nossa América (ALBA-TCP), no Palácio da Revolução, O presidente cubano Miguel Díaz-Canel denunciou que diante da “dramática situação” gerada pela pandemia, “o imperialismo americano não só não parou como também reforçou seus planos de dominação hegemônica da nossa região”.

E acrescentou que “por puro egoísmo político e cálculo econômico frio, não se aproveitou a velocidade com que os cientistas descobriram vacinas” contra a covid-19.

Cuba, único país latino-americano que criou suas próprias vacinas contra a covid-19, compartilhou os imunizantes com vários destes países aliados.

A primeira cúpula presencial da ALBA desde 2019 foi realizada com a participação de seis chefes de estado da aliança, fundada há 17 anos pelos falecidos comandantes Fidel Castro e Hugo Chávez para conter a tentativa dos Estados Unidos de criar um acordo comercial regional que nunca concretizou.

“Neoprotecionismo seletivo”

Cuba, único país latino-americano que criou suas próprias vacinas contra a covid-19, compartilhou os imunizantes com vários destes países aliados.

Em sua intervenção, Maduro questionou que os poderes capitalistas usem as novas variantes da covid-19 para manipular e especular.

“Será que os poderes do capitalismo mundial e os meios de comunicação e laboratórios poderosos do mundo às vezes usam algumas variantes (…) para aumentar seus lucros, para manipular a opinião pública, para manipular os preços das commodities?”, disse Maduro.

“Se as bolsas caem quando aparece a ômicron, gritam aos céus; o petróleo um dia passou de 82 a 56” dólares, exemplificou.

Em sua primeira participação em uma cúpula da ALBA, o presidente da Bolívia, Luís Arce, pediu que se aproveite a resistência da aliança, que sobreviveu diferentemente de outros fóruns “neoliberais”, para avançar para uma autonomia alimentar e médica.

Especialmente no contexto de “um neoprotecionismo absolutamente seletivo”, afirmou.

O presidente boliviano falou sobre o risco que a pandemia representa, não só para a vida e para a economia mundial, mas para a segurança alimentar e médica.

“Por isso, nós nos animamos a propor (…) sermos autossuficientes na geração e produção de medicamentos para nossos povos e apontarmos a garantir a segurança alimentar” no ALBA-TPC, disse Arce.

Ao chegar a Cuba na madrugada, o boliviano trouxe consigo no avião 15 toneladas de alimentos e outras cinco de medicamentos para ajudar Cuba, que enfrenta uma forte escassez.

“Diante do recrudescimento do bloqueio criminoso imposto pelos Estados Unidos a Cuba, a resposta da Bolívia sempre será mais solidariedade”, escreveu Arce no Twitter em sua chegada.

“Somos todos iguais”

Enquanto isso, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, que decidiu na última hora participar do encontro, assegurou que a ALBA tem sabido contribuir, apesar das agressões sofridas.

“Se o imperialismo se carateriza em alguma coisa é em ser mais mentiroso porque pregam a paz e praticam a guerra, o terrorismo”, disse, ao fazer um longo retrospecto do que, disse, tem sido uma hostilidade sem precedentes contra seu país, assim como contra a Bolívia e a Venezuela.

“São os maiores terroristas do planeta”, afirmou Ortega, considerando que os “atacam, agridem, caluniam, difamam e cometem terrorismo” contra eles “porque estamos construindo um novo caminho”.

A cúpula da ALBA ocorre quatro dias após o encerramento da Cúpula pela Democracia, organizada por Biden, que recebeu fortes críticas dos integrantes da aliança e à qual não foram convidados oito países da América Latina, entre eles Cuba, Nicarágua, Bolívia e Venezuela.

Entre os acordos está a criação de um Observatório contra a Interferência, para monitorar a destinação de 424 milhões de dólares, que o Biden concederá para apoiar a democracia nesses países.

A aliança ALBA-TPC é integrada por Venezuela, Cuba, Bolívia, Nicarágua, República Dominicana, Antígua e Barbuda, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia, São Cristóvão e Neves e Granada.

Related posts
FuturoSociedade

Moderna iniciou testes de reforço da vacina específico para Ómicron

MundoSociedade

Risco da variante Ómicron continua muito alto, diz OMS

MundoPolítica

EUA alerta Bielorrússia de resposta firme se ajudar a invadir Ucrânia

MundoPolítica

Ocidente alerta para 'graves consequências' em caso de agressão à Ucrânia

Assine nossa Newsletter