Traçada meta de 85% de falantes de mandarim nas RAEs em 2025

Traçada meta de 85% de falantes de mandarim nas RAEs em 2025

O Gabinete Geral do Conselho de Estado da China apontou que o ensino do mandarim nas regiões de Macau e Hong Kong deve ser reforçado nos próximos anos, com o objetivo de fazer com que cerca de 85 por cento da população domine o idioma

Foi traçada a meta de falantes de mandarim nas RAEs até 2025. Reforçar o ensino e divulgação do mandarim para que a população comece a dominar mais o idioma do país nos próximos anos. É esta a ideia principal deixada no documento “Opiniões sobre o fortalecimento linguístico na nova era”, do Gabinete Geral do Conselho de Estado da China, que traça metas no ensino do mandarim para as regiões de Macau, Hong Kong e Taiwan.

Um dos objectivos principais constantes no documento determina que “a taxa de popularização do mandarim tem de atingir os 85 por cento em 2025”, para que “a padronização e a informatização da língua e da escrita melhorem”. Pretende-se também reforçar “o intercâmbio linguístico com os jovens de Macau, Hong Kong e Taiwan, com a organização de actividades como leituras de clássicos chineses ou a promoção de estudos culturais e linguísticos”.

Relativamente ao projecto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, o documento do Conselho de Estado aponta para o reforço dos serviços linguísticos. O panorama do uso de línguas deve ser verificado através do lançamento regular de inquéritos específicos que “apoiem o planeamento de uma estratégia nacional” nesta área.

O Conselho de Estado pede também que haja um reforço da supervisão do uso do idioma em escolas, instituições, imprensa, rádio e televisões, bem como em meios online e nos próprios serviços públicos.

Leia também: Macau nega obrigar escolas a dar aulas em mandarim

“A padronização linguística deve ser alvo de uma gestão sectorial. As palavras novas, estrangeiras e a linguagem utilizada pelos meios de comunicação social deve ser padronizada”, lê-se ainda. Para o Conselho de Estado, é importante reprimir o uso de linguagem violenta e vulgar na Internet.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
MacauSociedade

Crise económica leva mais pessoas a estudar português em Macau

ChinaSociedade

Procura por profissionais que falem português continua alta na China

ChinaLíngua

Macau em Mandarim

BrasilChina

Universidades brasileiras apostam no ensino do mandarim

Assine nossa Newsletter