NATO pede mais inteligência artificial perante ameaça da China

NATO pede mais inteligência artificial perante ameaça da China

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu mais investimento em inteligência artificial (AI), para que os membros da Aliança Atlântica não fiquem para trás em relação a potências como a Rússia e a China

Stoltenberg participou no fórum NATO-Indústria, em Roma, com a presença de centenas de empresas da indústria de Defesa e Segurança para propor soluções inovadoras e desenvolvimento de capacidades e para preparar o novo Conceito Estratégico da Aliança, que será aprovado na cimeira de 2022, em Madrid.

Na sua intervenção, o secretário-geral da NATO explicou que “países em várias partes do mundo estão a desenvolver novas tecnologias a partir da inteligência artificial, tal como a Rússia e a China, provando que estão a investir muito nessas tecnologias”.

“Os aliados ainda são candidatos nesta corrida. Mas outros jogadores estão a recuperar rapidamente. Como não partilham dos nossos valores, nem jogam pelas mesmas regras, começam a desafiar o domínio tecnológico da NATO”, explicou Stoltenberg.

O responsável da Aliança Atlântica sublinhou que “um dos principais competidores” é a China – uma das maiores economias do planeta e o país com o segundo maior orçamento para Defesa – e pediu que sua expansão seja considerada “como alguma coisa que está a mudar o alinhamento da segurança”.

Stoltenberg disse acreditar que a China tem a ambição de se tornar líder mundial nas tecnologias de AI em 2030 e quer ter as Forças Armadas mais tecnologicamente avançadas do mundo em 2050, acrescentando que este plano “não é teórico, mas muito real”.

Stoltenberg disse também que a Rússia está a “fazer progressos consideráveis” nessa área.

“Dada a crescente competição de regimes autoritários, somos obrigados a fortalecer as nossas tecnologias”, concluiu.

O secretário-geral da NATO aproveitou a sua deslocação a Roma para se encontrar com o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, na quarta-feira, com quem discutiu a situação da concentração militar da Rússia na Ucrânia, a crise na fronteira da Bielorrússia com a Polónia, Letónia e Lituânia e o que está a suceder nas fronteiras dos países da Aliança, no Sul, incluindo a situação no Mediterrâneo.

De acordo com um comunicado da NATO, Draghi e Stoltenberg também “abordaram a importância de uma ligação transatlântica forte à medida que a Aliança continua a modernizar-se e a adaptar-se a um mundo mais competitivo” e quando se prepara para a cimeira do próximo ano em Madrid.

Related posts
ChinaMundo

NATO quer mudanças para lidar com ascensão da China

PortugalSociedade

Fingiam ser altas patentes da NATO para dar cursos cinotécnicos

ChinaPolítica

Pequim acusa NATO de exagerar a "teoria da ameaça chinesa"

MundoPolítica

NATO aponta China, Rússia, cooperação com UE e Afeganistão como prioridades

Assine nossa Newsletter