Facebook elimina política, saúde e religião nos seus anúncios

Facebook elimina política, saúde e religião nos seus anúncios

Em breve, os usuários do Facebook e do Instagram não poderão mais receber anúncios com base no seu interesse em certos tópicos delicados, como orientação sexual e afiliação política, uma grande mudança para a principal rede social

“Queremos atender melhor às expectativas das pessoas em relação aos métodos dos anunciantes”, explicou Graham Mudd, vice-presidente de publicidade do Facebook, cuja matriz agora é “Meta”.

A empresa arrecadou US $ 84 bilhões em 2020, principalmente com publicidade. Os anunciantes são atraídos por serem capazes de atingir os consumidores com muita precisão e em grande escala em milhares de categorias de interesse. 

A partir de 19 de janeiro, aquelas relacionadas à orientação sexual, saúde, religião, filiação política, etc. serão eliminadas.

A decisão tem como objetivo evitar que organizações usem essas categorias para incentivar os usuários a se envolverem em comportamentos prejudiciais ou perigosos e se baseia em comentários de especialistas em direitos civis e legisladores, explicou Mudd. 

Antes do ataque ao Capitólio em janeiro, o site do Projeto de Transparência Tecnológica denunciou anúncios armamentistas dirigidos a membros de grupos de extrema-direita em Washington. 

As autoridades de habitação dos EUA também processaram o Facebook em 2019 por permitir anúncios imobiliários que “excluem pessoas de cor, famílias com crianças, mulheres e pessoas com deficiência”.

Os anunciantes podem usar outras ferramentas de segmentação, como geolocalização, por exemplo, e a plataforma agora oferece aos usuários mais controle sobre o tipo e o número de anúncios que desejam ver.

Related posts
MundoSociedade

Facebook desmantela redes de desinformação vinculadas à Covid

FuturoLifestyle

Facebook acaba com o seu sistema de reconhecimento facial

Futuro

Facebook altera nome de sua empresa-mãe para Meta

MundoSociedade

Denunciante do Facebook pede regulamentação da empresa a legisladores dos EUA

Assine nossa Newsletter