Pentágono admite incapacidade de retirar todos os civis pretendidos

Pentágono admite incapacidade de retirar todos os civis pretendidos

O Departamento de Defesa norte-americano reconheceu ontem a incapacidade de retirar do Afeganistão todos os civis estrangeiros e afegãos que pretendiam abandonar o país que foi tomado pelos talibãs

“Não podíamos retirar todos que queríamos”, afirmou o general Kenneth McKenzie, líder do comando central dos EUA, adiantando que a retirada de afegãos e estrangeiros foi concluída “cerca de 12 horas” antes da retirada dos últimos militares.

Segundo o general, as forças norte-americanas estiveram disponíveis para retirar qualquer pessoa que alcançasse o aeroporto “até ao último minuto”.

O último avião C-17 norte-americano descolou hoje do aeroporto de Cabul, às 20:29 de Lisboa, segundo o Pentágono.

O embaixador e um general foram os últimos norte-americanos a deixar o Afeganistão, disse o Pentágono.

“A bordo do último avião estava o general Chris Donahue. Estava acompanhado pelo embaixador Ross Wilson”, disse o general Kenneth McKenzie, em conferência de imprensa.

Os Estados Unidos terminaram hoje a sua guerra mais longa com a retirada militar do Afeganistão, país que invadiram há 20 anos, logo após terem sofrido os ataques terroristas de 11 de Setembro.

Os EUA deixam o Afeganistão de novo nas mãos dos talibãs, cujo primeiro regime (1996-2001) tinham derrubado em dezembro de 2001, quando o grupo extremista se recusou a entregar o então líder da Al-Qaida, Osama bin Laden.

A retirada das forças internacionais foi negociada com os talibãs, em fevereiro de 2020, e ocorre 15 dias depois de o movimento rebelde ter conquistado Cabul, depondo o Presidente Ashraf Ghani.

A vitória dos talibãs desencadeou uma operação das forças internacionais que permitiu retirar do país mais de 100.000 estrangeiros e afegãos a partir do aeroporto de Cabul.

Com a capital afegã controlada pelos talibãs, a operação foi marcada pelo desespero de milhares de afegãos a querer fugir do país e por ataques do grupo extremista Estado Islâmico, incluindo um atentado bombista que matou cerca de 200 pessoas.

Related posts
Sociedade

Biden anunciará 'boas notícias' para as mudanças climáticas na ONU

MundoSociedade

Covid matou mais nos EUA do que a gripe espanhola

ChinaEconomia

Evergrande leva Wall Street a uma das piores sessões do ano

FuturoMundo

NASA enviará robot ao polo sul da Lua em busca de gelo

Assine nossa Newsletter