Conselho de Segurança debate hoje situação no Afeganistão

Conselho de Segurança debate hoje situação no Afeganistão

O Conselho de Segurança da ONU realiza hoje uma reunião em que a situação no Afeganistão é o único ponto da agenda

A reunião do Conselho de Segurança foi convocada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, para debater a situação no Afeganistão. Surge na sequência do ataque perpetrado pelo ramo afegão do grupo ‘jihiadista’ Estado Islâmico na passada quinta-feira em Cabul, que provocou mais de 150 mortos e centenas de feridos.

O ataque, com um bombista suicida, ocorreu num dos portões de entrada do aeroporto de Cabul, onde se aglomeram milhares de afegãos. Tentavam fugir do país antes do final da ponte aérea organizada pelos Estados Unidos e seus parceiros da NATO, marcada para esta terça-feira.

Pelo menos 161 pessoas morreram no atentado suicida, segundo um balanço de fontes sanitárias, desconhecendo-se o número oficial.

Os EUA e os aliados invadiram o Afeganistão em 2001, depois de os talibãs terem recusado a entregar o então líder da Al-Qaida, Bin Laden, o principal responsável pelos ataques terroristas de 11 de setembro.

A invasão pôs fim ao primeiro governo dos talibãs (1996-2001). Voltaram ao poder no passado dia 15 de agosto, numa ofensiva que coincidiu com o início da retirada das forças internacionais.

O Conselho de Segurança debate a situação no Afeganistão nas vésperas da operação de retirada dos militares dos Estados Unidos terá de estar concluída até esta terça-feira.

Milhares de afegãos com medo dos talibãs têm afluído diariamente ao aeroporto de Cabul desde 15 de agosto. Assim, as forças internacionais retiraram mais de 100.000 pessoas desde então.

Related posts
MundoPolítica

EUA comprometem-se a doar mais 500 milhões de vacinas a países mais pobres

MundoPolítica

COP26 é um 'ponto de inflexão para a humanidade', diz Boris Johnson

MundoPolítica

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável'

MundoPolítica

Do alarme de Guterres à Guerra Fria de Biden com Bolsonaro pelo meio

Assine nossa Newsletter