Covid-19: Regulador do Brasil rejeita uso de vacina Coronavac em crianças e adolescentes - Plataforma Media

Covid-19: Regulador do Brasil rejeita uso de vacina Coronavac em crianças e adolescentes

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) brasileira rejeitou na quarta-feira o uso em crianças e adolescentes da vacina contra a covid-19 Coronavac, pedindo mais estudos sobre eficácia e segurança do imunizante nesse público-alvo.

O órgão regulador negou assim o pedido feito pelo Instituto Butantan – que produz no Brasil a vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac – para autorizar a inclusão de crianças e adolescentes, entre os 3 a 17 anos, entre as pessoas que podem receber a Coronavac em solo brasileiro.

Os técnicos da agência apontaram a falta dados para confirmar a segurança e eficácia da aplicação das doses neste grupo.

A ausência de algumas informações sobre a proteção da Coronavac em adultos, ainda não enviadas pelo Butantan, comprometeu a análise para crianças e adolescentes, destacaram os diretores da Anvisa.

“Portanto, a relação de benefício e risco é desfavorável para o uso da vacina nesta população (de crianças e adolescentes). O que estamos apresentando aqui é um retrato do momento. Dados adicionais, mais robustos, podem ser apresentados para que reconsideremos essa sugestão”, disse o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da agência, Gustavo Mendes.

Mendes lembrou que o grupo de crianças e adolescentes que participaram da investigação, com 586 participantes, foi pequeno para chegar a resultados robustos, quando comparado com o registado com outras vacinas, disse Mendes.

A relatora do processo, Meiruze Sousa Freitas, também recomendou que o Ministério da Saúde “considere a possibilidade” do uso de uma dose de reforço para pessoas de grupos de maior risco, como idosos acima de 80 anos e pacientes imunocomprometidos, que receberam duas doses da Coronavac.

Todos os cinco diretores da agência seguiram o voto da relatora.

O Ministério da Saúde brasileiro já encomendou um estudo para avaliar a necessidade de dose de reforço para pessoas que receberam a Coronavac.

A Coronavac foi aprovada em janeiro para uso emergencial em pessoas acima de 18 anos no Brasil. Hoje, apenas a vacina da Pfizer está aprovada para uso em maiores de 12 anos no país sul-americano.

Em junho, a China aprovou a aplicação da CoronaVac em crianças a partir dos 3 anos. A decisão foi baseada em estudos de fase 1 e 2 que indicam que imunizante é seguro.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, contabilizando 571.662 vítimas mortais e 20,4 milhões de casos confirmados de covid-19.

A covid-19 provocou pelo menos 4.381.911 mortes em todo o mundo, entre mais de 208,5 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Related posts
BrasilPolítica

Juristas defendem que Bolsonaro deve ser indiciado por crimes na pandemia

BrasilSociedade

Estado do Rio tem queda no número de internações e óbitos por covid-19

BrasilSociedade

Variante Delta já é predominante na capital paulista

BrasilSociedade

Brasil supera 20,8 milhões de casos após somar 27.345 infeções em 24 horas

Assine nossa Newsletter