Foram assassinadas 75 crianças no Myanmar vítimas do golpe de Estado - Plataforma Media

Foram assassinadas 75 crianças no Myanmar vítimas do golpe de Estado

O Comité dos Direitos da Criança da ONU condenou hoje veementemente o “assassínio” de crianças que está a ser cometido pelas forças de segurança em Myanmar (antiga Birmânia), denunciando que 75 menores foram mortos desde o golpe de Estado.

Também desde o golpe de Estado, ocorrido em fevereiro e no qual a junta militar birmanesa tomou o poder, cerca de 1.000 menores foram detidos de forma arbitrária, avançou o comité.

“As crianças em Myanmar estão sitiadas e em risco de uma perda catastrófica de vidas na sequência do golpe militar”, afirmou a presidente do Comité dos Direitos da Criança da ONU, Mikiko Otani, num comunicado.

“As crianças são expostas todos os dias a uma violência indiscriminada, a tiros aleatórios e a prisões arbitrárias. Têm armas apontadas para elas e veem os seus pais e os seus irmãos a sofrerem o mesmo destino”, frisou a representante.

Este comité é composto por 18 peritos independentes que têm a responsabilidade de monitorizar a aplicação da Convenção sobre os Direitos da Criança, tratado internacional ao qual Myanmar aderiu em 1991.

Desde o golpe de Estado militar de 01 de fevereiro, Myanmar encontra-se numa situação de caos, com a economia paralisada e palco de várias manifestações e distúrbios fortemente reprimidos pelas forças militares e pela polícia birmanesa.

O exército de Myanmar justificou o golpe de Estado com supostas fraudes eleitorais durante as legislativas de novembro de 2020 cujo resultado deu a vitória à Liga Nacional para a Democracia, força liderada pela ativista e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi.

As eleições legislativas foram consideradas legais pelos observadores internacionais.

Segundo informações de fontes credíveis recolhidas pelo comité da ONU, e desde fevereiro, “75 crianças foram mortas, cerca de 1.000 foram detidas arbitrariamente e inúmeras outras foram privadas de cuidados médicos essenciais e da educação”.

No mesmo comunicado, o comité condenou “veementemente o assassínio de crianças pela junta e pela polícia”, relatando que algumas vítimas foram mortas nas suas próprias casas, como foi o caso de uma menina de seis anos em Mandalay, a segunda cidade de Myanmar.

Segundo o comité, a criança morreu nos braços do seu pai depois de ter sido atingida por uma bala no estômago disparada pela polícia.

A par da condenação da detenção arbitrária de crianças em esquadras de polícia, prisões ou em centros de detenção militares, o Comité dos Direitos da Criança da ONU também denunciou que as autoridades militares birmanesas fazem de reféns os menores quando não conseguem prender os seus pais.

O comité também relatou que as instalações de hospitais, escolas e instituições religiosas foram ocupadas pelas forças de segurança birmanesas e que posteriormente foram danificadas em ações militares.

Citando dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o comité realçou ainda que um milhão de crianças em Myanmar não recebeu vacinas essenciais e que mais de 40 mil menores não estão a receber tratamento para a desnutrição aguda grave.

“Se esta crise continuar, toda uma geração de crianças corre o risco de sofrer profundas consequências físicas, psicológicas, emocionais, educacionais e económicas, privando-as de um futuro saudável e produtivo”, concluiu Mikiko Otani.

Na semana passada, o relator especial da ONU para Myanmar acusou a junta militar que tomou o poder em fevereiro de cometer “crimes contra a Humanidade”, tendo pedido à comunidade internacional para acabar com este “pesadelo”.

Segundo a ONU, a repressão da oposição birmanesa já fez cerca de 900 mortos e cerca de 200 mil pessoas foram forçadas a fugir de casa e estão deslocadas devido às ações militares em bairros e em localidades daquele país.

Outros milhares de pessoas procuraram refúgio em países vizinhos.

Assine nossa Newsletter