Relatório da ONU aponta para "agravamento dramático" da fome no mundo em 2020 - Plataforma Media

Relatório da ONU aponta para “agravamento dramático” da fome no mundo em 2020

A Organização das Nações Unidas (ONU) lamentou na segunda-feira um “agravamento dramático” da fome mundial em 2020, devido à a pandemia da covid-19, e pediu milhares de milhões de dólares para combater a desnutrição.

Um relatório emitido em conjunto por cinco agências da ONU esclareceu que a fome ultrapassou o crescimento populacional em 2020, com cerca de 10% da população mundial considerada subnutrida.

De acordo com o relatório, o maior aumento da fome ocorreu em África, onde 21% das pessoas – 282 milhões – estão subnutridas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, referiu que os novos “dados trágicos” revelam que entre 720 milhões e 811 milhões de pessoas passaram fome no ano passado, mais quase 161 milhões do que em 2019.

Mais de 2,3 mil milhões de pessoas — o que representa 30% da população global – não tiveram acesso a alimentação adequada durante o ano. Conhecido como prevalência de insegurança alimentar moderada ou grave, o indicador saltou num ano o mesmo que nos cinco anteriores todos somados.

“Apesar de um aumento de 300% na produção global de alimentos desde meados dos anos de 1960, a desnutrição é um fator importante que contribui para a redução da expectativa média de vida”, disse António Guterres, citado pela agência noticiosa AP, acrescentado que “num mundo de abundância” não há “desculpa para milhares de milhões de pessoas não tenham acesso a uma dieta saudável”.

Emily Farr, da organização humanitária Oxfam, afirmou que a pandemia foi a “gota d’água para milhões de pessoas já vítimas de conflitos, de choques económicos e do agravamento da crise climática”.

“Um total de 3 mil milhões de adultos e crianças permanecem sem dietas saudáveis, devido aos custos excessivos”, pode ler-se no relatório.

O relatório estima que 149 milhões de crianças menores de cinco anos têm crescimento atrofiado, uma vez que são muito baixas para sua idade, e que mais de 45 milhões de crianças são demasiado magras para sua altura.

O documento adianta também que cerca de 39 milhões de crianças apresentam sobrepeso.

“Perturbadoramente, em 2020 a fome disparou em termos absolutos e proporcionais, ultrapassando o crescimento populacional”, concluíram os autores do relatório.

O relatório refere que cerca de 9,9% da população mundial foi considerada como desnutrida no ano passado, em comparação com 8,4% em 2019.

“[Os novos números] são um lembrete sombrio de como os nossos sistemas económicos e alimentares globais estão avariados. Mais de metade da população mundial não teve proteção social para lidar com os efeitos adversos da pandemia”, disse Emily Farr.

A ONU realçou que a pandemia prejudicou a meta de erradicar a fome no mundo até 2030.

Com base nas tendências atuais, estima-se que o objetivo será “perdido por uma margem de quase 660 milhões de pessoas”, e que cerca de 30 milhões “podem estar relacionados com os efeitos duradouros da pandemia”.

António Guterres adiantou ainda que vai convocar uma Cimeira de Sistemas Alimentares, durante a reunião anual de líderes mundiais na Assembleia Geral, em setembro, “para fazer uma mudança com urgência”.

O secretário-geral da ONU acrescentou que uma reunião a realizar-se em Roma, no fim do mês, procurará descobrir como se deve “enfrentar a fome, a emergência climática, a desigualdade, os conflitos, com transformação dos sistemas alimentares”.

O economista-chefe da ONU para a Agricultura e Alimentação, Maximo Torero, explicou que para tirar 100 milhões de pessoas da desnutrição crónica são necessários 14 mil milhões de dólares (11,8 mil milhões de euros) por ano até 2030, e para atingir a fome zero na próxima década o esforço estimado é de 40 mil milhões de dólares (33,72 mil milhões de euros) anuais.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MundoSociedade

Fome agravou-se em ano pandémico com quase 10% da população mundial subnutrida

Mundo

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

BrasilPolítica

Brasil entre os eleitos para o Conselho de Segurança da ONU

EconomiaMoçambique

ONU investe no empoderamento da raparigas na Zambézia

Assine nossa Newsletter