IPOR: Macau está a fazer "investimento notável” no ensino da língua portuguesa - Plataforma Media

IPOR: Macau está a fazer “investimento notável” no ensino da língua portuguesa

O diretor do Instituto Português do Oriente (IPOR) defendeu hoje em declarações à agência Lusa que as autoridades de Macau estão a fazer um “investimento notável” no ensino da língua portuguesa.

“Acho que por parte da Direção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude [DSEDJ] está a ser feito um investimento que acho notável. E se olharmos especificamente para o trabalho do Centro de Difusão de Línguas [CDL] da DSEJ, acho que esse trabalho está a ser desenvolvido não só em quantidade, mas também em qualidade”, sustentou Joaquim Coelho Ramos, na véspera de ser assinalado o Dia Mundial da Língua Portuguesa.

“Não só o ensino da língua portuguesa em escolas oficiais e particulares do ensino não superior tem vindo a crescer, mas também em qualidade, e tem sido colocada à disposição das escolas atividades complementares que ajudam este processo de ensino de aprendizagem”, sublinhou.

A justificação pode estar no papel que Pequim atribuiu ao antigo território administrado por Portugal até 1999, para se assumir como plataforma para a cooperação comercial entre a China e os países lusófonos e como base de formação de quadros qualificados bilingues em chinês e português.

O diretor do IPOR salientou que “isso pode estar ligado ao desenvolvimento da visão da língua portuguesa como língua global e do interesse que existe, prático, do trabalho, através da língua portuguesa, de colaboração, cooperação com os países que a têm como língua oficial”.

O interesse tem-se traduzido no acréscimo de solicitações junto do IPOR, acrescentou Joaquim Coelho Ramos: “Também notamos algumas instituições que vêm pedindo ao IPOR cursos de formação em língua portuguesa para os seus funcionários, com a intenção de melhor servir a população que fala português, mas também com a intenção de fazerem investimentos exteriores”.

Ou seja, concluiu, “quer numa dimensão lúdica, quer numa dimensão pedagógica, quer numa dimensão pragmática ligada à economia, (…) há um desenvolvimento muito sério e muito bem feito, estrategicamente bem orientado para a língua portuguesa aqui [em Macau]”.

No último ano letivo, o curso de português realizado pelas escolas públicas subordinadas à DSEDJ contabilizava um total de 136 turmas, com 2.409 estudantes, e 27 turmas de atividades extracurriculares, com 429 alunos participantes, segundo dados oficiais.

Também em 2019/2020, um total de 43 escolas particulares lecionaram o curso de português, que envolveu 5.591 alunos. Desde 2007 que a mesma entidade encarregou a Escola Portuguesa de Macau de promover o curso intensivo de língua portuguesa, em horário após as aulas, para estudantes, com a DSEDJ a proporcionar ainda, gratuitamente, às escolas primárias e secundárias, uma plataforma de leitura ‘online’ de português.

Isto além da atribuição de bolsas extraordinárias dedicada a formar quadros qualificados em cursos nas áreas de língua portuguesa ou tradução chinês-português, bem como para apoiar licenciaturas em Portugal frequentadas por residentes de Macau.

Ainda no último ano, segundo a DSEDJ, 4.598 residentes foram subsidiados para participarem em cursos de português.

Instituições como o Instituto Politécnico de Macau têm desenvolvido parcerias com universidades de países lusófonos na formação de docentes, intercâmbio de alunos e cooperação nos cursos de pós-graduação.

Em declarações à Lusa, no final de 2020, o novo coordenador do Centro Internacional Português de Formação do IPM, Joaquim Ramos de Carvalho, assumiu a existência de um caderno de encargos para responder a crescentes exigências que vão da integração na China à criação de redes sino-lusófonas e de cooperação internacional.

No final de 2019, números enviados à Lusa pelo Governo de Macau indicavam que o ensino do português tinha crescido em Macau, nas escolas, em alunos e professores, nos últimos 20 anos sob administração chinesa.

Os mesmos números apontavam para um aumento dos estudantes locais em cursos lecionados em português no ensino superior e para um crescimento dos alunos em mobilidade em Portugal.

O Dia Mundial da Língua Portuguesa comemora-se esta quarta-feira, e pela segunda vez, em formato híbrido, presencial e ‘online’, e a programação inclui mais de 150 atividades em 44 países de todos os continentes, além de uma cerimónia oficial a partir de Lisboa.

Em Macau, e depois de promover oficinas e a produção de vídeos pelos formandos, o IPOR organiza esta quarta-feira a entrega de uma coleção de livros em língua portuguesa para enriquecer os acervos das bibliotecas das escolas do ensino não-superior que ensinam o português.

A Faculdade de Artes e Humanidades da Universidade de Macau (UM) e a Biblioteca da UM coorganizam uma exposição de traduções chinesas de obras de autores portugueses até 18 de maio como parte das atividades para celebrar o Dia Mundial da Língua Portuguesa. No mesmo dia, a cerimónia integra o lançamento do livro e um recital de poesia portuguesa pelos estudantes do Departamento de Português.

O português é falado por mais de 260 milhões de pessoas nos cinco continentes, estimando-se que, em 2050, esse número cresça para quase 400 milhões e, em 2100, para mais de 500 milhões, segundo estimativas das Nações Unidas.

Globalmente, 3,7% da população mundial fala português, que é língua oficial dos nove países membros da Comunidade dos Países (CPLP) e em Macau.

Em conjunto, as economias lusófonas valem cerca de 2.700 milhões de euros, o que faria deste grupo a sexta maior economia do mundo, se se tratasse de um país, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os países de língua portuguesa representam 3,6% da riqueza mundial.

O português é também língua oficial ou de trabalho de cerca de 20 organizações internacionais.

Artigos relacionados
AngolaCultura

Embaixador angolano defende difusão da língua portuguesa

Grande BaíaLusofonia

Inaugurado Gabinete fiscal para Países de Língua Portuguesa

ChinaCultura

“Há muita procura pelos talentos que saibam falar a língua portuguesa”

ChinaLusofonia

Pré-escolar em português em Macau visto como oportunidade por chineses

Assine nossa Newsletter