Nova Zelândia reconhece que divergências com a China são "mais difíceis" de conciliar

Nova Zelândia reconhece que divergências com a China são “mais difíceis” de conciliar

A primeira-ministra da Nova Zelândia reconheceu hoje as divergências existentes com a China em matéria de direitos humanos, numa altura em que o Governo é criticado por não se mostrar firme com Pequim nesta questão.

Num discurso pronunciado em Auckland, por ocasião de uma cimeira económica com a China, Jacinda Ardern, afirmou que o Governo já comunicou a Pequim “profunda preocupação” em relação às alegações sobre a erosão das liberdades democráticas na região especial chinesa de Hong Kong ou sobre trabalhos forçados e genocídio da minoria muçulmana uigure na província de Xinjiang.

No entanto, a dirigente de centro-esquerda lembrou que a Nova Zelândia é independente em matéria de política externa e portanto livre de escolher se estas questões devem ser abordadas publicamente, ou no âmbito de encontros privados com dirigentes chineses.

Ardern também admitiu que em certas questões a China e a Nova Zelândia nunca estarão de acordo.

“Não terá escapado a ninguém aqui que à medida que o papel da China no mundo cresce e evolui, as diferenças entre os nossos sistemas (…) tornam-se mais difíceis de conciliar”, salientou.

Este é “um desafio” que a Nova Zelândia, e “muitos outros países da região Indo-Pacífico, mas também da Europa e de outras regiões” têm que enfrentar, considerou a política.

“Devemos reconhecer que existem certas coisas sobre as quais a China e a Nova Zelândia não estão, não podem estar e não estarão de acordo”, declarou a política.

“Isso não deve alterar as nossas relações. É simplesmente uma realidade”, sublinhou.

Recentemente, a ministra dos Negócios Estrangeiros neozelandesa, Nanaia Mahuta, afirmou que Wellington não ia deixar a aliança de serviços secretos “Five Eyes” (Austrália, Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia e Reino Unido) ditar a política a seguir com o principal parceiro comercial do arquipélago.

Alguns meses antes, o ministro do Comércio neozelandês, Damien O’Connor, tinha pedido à Austrália para respeitar Pequim, na sequência da assinatura de um acordo de livre comércio reforçado entre o arquipélago e a China.

As tensões entre Camberra e Pequim têm vindo a aumentar desde 2018 devido a divergências sobre um número crescente de temas, da tecnologia 5G às acusações de espionagem, Hong Kong, ou ainda as origens do novo coronavírus.

Também presente da cimeira empresarial, o embaixador da China na Nova Zelândia, Wu Xi, reconheceu a relação bilateral de longa data com a Nova Zelândia, mas advertiu contra “a interferência” nos “assuntos internos” chineses, especificamente em relação a Hong Kong e a Xinjiang, de acordo com a Rádio New Zealand.

Wu Xi alertou ainda para “o envenenamento” da cooperação internacional e divisão do mundo.

Related posts
MundoSociedade

ONU: Direitos humanos não devem ser visto como "aspirações teóricas"

MundoPolítica

Venezuela julga agentes envolvidos em violações dos Direitos Humanos

ChinaReligião

China “preparada” para receber representante da ONU para Direitos Humanos em Xinjiang

BrasilSociedade

CIDH alerta para piora da situação dos direitos humanos no Brasil

Assine nossa Newsletter