Professores querem programas curtos, apoio aos alunos e tempo para recuperar matérias - Plataforma Media

Professores querem programas curtos, apoio aos alunos e tempo para recuperar matérias

Governo está a preparar um Plano de Recuperação de Aprendizagens, mas especialistas dizem estar a ignorar-se o trabalho feito à distância por alunos e docentes. E que se devia repensar calendário escolar.

Apostar na qualidade, num ensino mais individualizado, com professores tutores/mentores e com maior destaque aos professores de apoio educativo. Programas menos extensos e um período no início do ano letivo dedicado à recuperação e preparação do novo ano.

Estas são algumas das ideias que os professores gostariam de ver estudadas pela equipa que o governo criou para preparar o Plano de Recuperação de Aprendizagens 21/23, que vai ser apresentado em maio.

Uma proposta governamental que, todavia, merece criticas por parte dos especialistas ouvidos pelo DN que dizem estar a esquecer-se de que “o ensino e a escola não pararam” neste último ano.

“Temos de ter a consciência e a compreensão de que estamos a viver uma situação de pandemia, para além de vivermos num permanente Estado de Emergência… e também essas condições se aplicarem à “Escola”. Esta circunstância é de tal maneira relevante, que estamos a exigir a esta “Escola”, nomeadamente, aos professores, aos alunos, às famílias e ao próprio currículo, exatamente o mesmo, como se de um ano normal se tratasse, quando, estamos a viver na história recente da Educação, dois anos letivos completamente atípicos”, explica Marco Bento, investigador da Univ. do Minho, e especialista em [email protected] que frisa estar-se a “fazer um apagão ao ensino à distância que aconteceu”.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
MacauSociedade

DSEDJ: Cantonês defendido e redução de turmas no ensino infantil

MacauSociedade

Gestão hoteleira: IFT é 30ª melhor universidade do mundo

Cabo VerdeDesporto

Nani assegura requalificação de duas escolas cabo-verdianas com quase 800 alunos

PortugalSociedade

82% querem escolas fechadas mais duas semanas

Assine nossa Newsletter