Empréstimos da China para a América Latina estagnam em ano de recessão económica

Empréstimos da China para a América Latina estagnam em ano de recessão económica

Em 2020, pela primeira vez em quinze anos, os dois maiores bancos de investimento públicos da China não fizeram novos empréstimos a países da América do Sul, após quase duas décadas de avultados investimentos

Quando, em 2010, a economia chinesa registava um crescimento de dois dígitos e as suas empresas estatais procuravam expandir-se globalmente, a América Latina, região com escassez de capital, mas rica em recursos naturais que o país asiático precisa, surgiu como o complemento ideal. Só nesse ano, a China emprestou 35 mil milhões de dólares aos vários países da região.

Volvida uma década, a China parece ter adoptado uma postura mais cautelosa, numa altura em que a pandemia da covid-19 obrigou os credores a perdoar ou adiar o pagamento das dívidas dos países em desenvolvimento.

Os dados fazem parte de um novo relatório produzido em conjunto pela unidade de investigação Diálogo Interamericano, com sede em Washington, e o Centro de Política de Desenvolvimento Global da Universidade de Boston, que há vários anos seguem os investimentos chineses na América do Sul.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
ChinaPolítica

China acelera exportação de vacinas para os países em desenvolvimento

BrasilSociedade

Das dez melhores universidades da América Latina, três são brasileiras

MundoPolítica

Presidente argentino propõe ao rei da Espanha consolidar vínculo América-Europa

BrasilMundo

Crises políticas e sociais eclipsam quadro grave, mas estável, da Covid-19 na América Latina

Assine nossa Newsletter