Procurador-Geral envia para o Supremo investigações à conduta de Bolsonaro na pandemia - Plataforma Media

Procurador-Geral envia para o Supremo investigações à conduta de Bolsonaro na pandemia

Ao todo, nove inquéritos contra o Presidente do Brasil foram abertos na Procuradoria-Geral da República e enviados para o Supremo. Parte deles já foi arquivada

Além de responsabilidade no agravamento da crise sanitária no Amazonas e no Pará, o procurador-geral da República, Augusto Aras, avalia se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cometeu crime ao incentivar apoiadores a invadir hospitais públicos para constatar o nível de ocupação dos leitos.

Os dois episódios estão entre as nove apurações abertas na PGR (Procuradoria-Geral República) que envolvem o chefe do Executivo.

O conjunto de procedimentos inclui ainda acusações contra o presidente por desrespeitar medidas preventivas de enfrentamento ao coronavírus, como o uso de máscara facial e evitar as aglomerações.

Nas últimas semanas, Aras tem sido pressionado por parlamentares, ministros do Judiciário e colegas do MPF (Ministério Público Federal) a agir. O mandato do procurador-geral se encerra no mês de setembro.

Escolhido por Bolsonaro em 2019 para o cargo fora da lista tríplice dos mais votados em processo interno do MPF, Aras poderá ser reconduzido ao posto por mais dois anos. Uma das principais críticas à sua atuação é a de alinhamento aos interesses do presidente da República.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Biden não terá política externa 'agressiva' e Brasil é aliado, diz porta-voz do Departamento de Estado dos EUA

BrasilMundo

Bolsonaro acredita que Biden manterá "todos os acordos" firmados com Trump

BrasilPolítica

PGR brasileiro abriu nove investigações à conduta de Bolsonaro na pandemia

Assine nossa Newsletter