"Agir depressa e drasticamente." Marcelo não quer políticos vacinados antes de prioritários - Plataforma Media

“Agir depressa e drasticamente.” Marcelo não quer políticos vacinados antes de prioritários

Chefe de Estado garante que “ainda vamos a tempo” de travar a escalada da pandemia, mas avisou que é tempo “de fazermos todos, poderes públicos e portugueses, mais e melhor”.

O Presidente da República decretou esta quinta-feira a renovação do estado de emergência em Portugal até 14 de fevereiro, para permitir medidas de contenção da Covid-19, e defendeu que é preciso agir depressa e drasticamente, não deixando de comentar a vacinação de titulares de cargos políticos.

“Se for verdade que, desta vez, a vaga começou a Ocidente e Portugal é dos primeiros e não dos últimos a sofrer a pandemia, então é preciso agir depressa e drasticamente”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação ao país.

Contra a insensibilidade e a negação do vírus ou do estado de emergência, Marcelo notou que nada disso “resolve a multiplicação dos mortos” ou os tempos de espera às portas dos hospitais.

A partir do Palácio de Belém, em Lisboa, o chefe de Estado acrescentou: “É esse o sentido das medidas hoje mesmo tomadas ao abrigo do decreto [do estado de emergência] que assinei logo após a autorização da Assembleia da República”.
“Temos de ser mais estritos, mais rigorosos, mais firmes no que fizermos e no que não fizermos: ficar em casa, sair só se imprescindível e com total proteção pessoal e social. Só assim será efetivamente viável testar a tempo e rastrear os possíveis infetados, diminuindo a disseminação do vírus”, apelou.

Sobre a vacinação de políticos ou titulares de cargos de grande relevância, o Presidente da República declarou que “ninguém, de bom senso, quereria fazer passar centenas, ou um milhar, de titulares de cargos políticos ou de funcionários, por muito importantes que fossem, à frente de milhares de idosos com as doenças mais graves e, por isso, da mais óbvia prioridade.”

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

PortugalSociedade

Reino Unido e Itália com mais impacto no início da pandemia em Portugal

PortugalSociedade

Quase menos 200 mil consultas e menos 21 mil cirurgias só em janeiro

PortugalSociedade

46% dos portugueses antecipam confinamento até à Páscoa

Assine nossa Newsletter