Sete meses de prisão para ativista de Hong Kong com passaporte português - Plataforma Media

Sete meses de prisão para ativista de Hong Kong com passaporte português

Dez ativistas de Hong Kong acusados de terem entrado ilegalmente em águas territoriais da China, durante uma tentativa de fuga para Taiwan, foram condenados a penas entre sete meses e três anos de cadeia.

De acordo com a rádio pública de Hong Kong, a RTHK, Tang Kai-yin, considerado o líder do grupo, foi condenado a três anos de prisão e ao pagamento de uma multa de 20 mil yuans (cerca de 2.500 euros) pelo tribunal do distrito de Yantian, em Shenzhen, zona económica especial chinesa adjacente à região semiautónoma.

A única mulher do grupo, Quinn Moon, recebeu uma sentença de dois anos de prisão e uma multa de 15 mil yuans (1.871 euros), por o tribunal ter considerado que desempenhou um papel de coliderança no caso.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
ChinaPolítica

Polícia de Hong Kong detém cerca de 50 ativistas e políticos da oposição

AngolaPolítica

ONG aponta o dedo ao Governo e afirma que há presos de consciência em Cabinda

Assine nossa Newsletter