Oposição moçambicana quer explicações da polícia sobre rapto de dirigente da Renamo - Plataforma Media

Oposição moçambicana quer explicações da polícia sobre rapto de dirigente da Renamo

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, quer mais explicações da polícia sobre o alegado envolvimento de agentes no rapto de Sofrimento Matequenha, antigo deputado e delegado provincial da Renamo, anunciou o partido.

“Esperamos que a polícia diga alguma coisa e que não se limite a negar [o envolvimento], porque isso não é suficiente”, disse Eduardo Leite, porta-voz da Renamo na província de Manica, centro do país, numa conferência de imprensa na terça-feira.

O dirigente da Renamo entende que o rapto pode estar ligado a suspeitas de que Matequenha esteja ligado à Juta Militar da Renamo, grupo dissidente que têm atacado aldeias e transportes civis no centro do país, provocando 30 mortos desde agosto de 2019.

Face ao testemunho da esposa da vítima, que assistiu ao sequestro, o dirigente diz mesmo que “é a polícia” que tem de provar que “não é autora do rapto”.

“Quem acusa, tem direito de acusar, mas quem diz ‘não’, também tem o dever de provar e isso ainda não aconteceu. O que aconteceu foi a Polícia negar o rapto e dizer que a esposa deve ir apresentar queixa”, aclarou Eduardo Leite.

O antigo deputado e delegado provincial da Renamo em Manica, Sofrimento Matequenha, foi raptado na sua residência no início da noite de domingo, segundo denunciou a família.

Um grupo armado, equipado com farda policial, invadiu a casa da vítima no bairro Nhamaonha, subúrbio de Chimoio, capital provincial de Manica, tendo-o levado numa viatura preta, com vidros fumados, contou Lurdes Inácio, esposa do político.

Sem esclarecer se reconheceu algum dos rostos dos raptores, a esposa descreveu-os como polícias, pelos fardamentos, botas, armas e pela forma como manipularam as armas.

Silva Matequenha, o irmão do político, disse ter procurado informações sobre o paradeiro do antigo deputado e delegado juntos das subunidades da Polícia da República de Moçambique (PRM), em Chimoio, mas sem sucesso.

A polícia em Manica negou a participação de agentes da corporação no rapto do político, sustentando que a corporação existe para “garantir a ordem e tranquilidade pública, independentemente da sua filiação política”, segundo Mário Arnaça, porta-voz da instituição.

Eduardo Leite nega que o rapto esteja relacionado com fricções internas que têm afetado a Renamo, insistindo que a formação política tem denunciado desde há vários anos raptos e assassinatos de membros e dirigentes, sem o desfecho dos casos.

“Nós estamos sempre preocupados. Não sabemos quem vai ser raptado amanhã, quem vai ser raptado depois e isso nos preocupa-nos”, frisou.

“Não tivemos nenhum caso de rapto em que a pessoa voltasse ao nosso convívio” disse Eduardo Leite, que apelou aos raptores a pararem com a agressão para o partido se concentrar no trabalho político.

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Forças governamentais dizem que devolveram tranquilidade ao centro de Moçambique

MoçambiqueSociedade

Corpo de antigo deputado da Renamo raptado encontrado numa mata em Moçambique

MoçambiquePolítica

ONG pede tréguas “sem condicionalismos” entre Governo e dissidentes da Renamo

MoçambiquePolítica

Líder dissidente da RENAMO em Moçambique disponível para negociar, avança ONU

Assine nossa Newsletter