Um terço da população mundial não recebe apoio público para combater pandemia - Plataforma Media

Um terço da população mundial não recebe apoio público para combater pandemia

No total, foram gastos 9,62 mil milhões de euros no mundo este ano para fazer face às consequências do coronavírus.

Cerca de 2,7 mil milhões de pessoas, mais de um terço da população mundial, não receberam nenhum apoio público para lidar com os efeitos da pandemia, segundo uma análise divulgada hoje pela Oxfam Intermón.

A organização de defesa dos direitos humanos avaliou as políticas de 126 países de baixo e médio rendimento para ajudar a sua população durante a crise económica provocada pela covid-19, seja através de prestações por invalidez, de desemprego ou pensões de reforma, entre outros fatores.

No seu relatório, intitulado “Abrigo na Tempestade”, a organização conclui que nenhuma das injeções de fundo público nestes países foi suficientemente elevada para satisfazer as necessidades básicas dos seus cidadãos.

“O coronavírus uniu o mundo com medo, mas dividiu-o na resposta”, afirma a responsável de políticas públicas da Oxfam Intermón e coautora do relatório, Liliana Marcos, em comunicado divulgado pela agência de notícias espanhola Efe.

“A pandemia impulsionou um louvável esforço em matéria de proteção social a nível mundial que atingiu mais de mil milhões de pessoas, mas até hoje há muitos mais que ficaram totalmente de fora”, acrescentou.

No total, foram gastos 9,62 mil milhões de euros no mundo este ano para fazer face às consequências do coronavírus, dos quais 8,06 mil milhões (83%) correspondem a investimentos de 36 países ricos, de acordo com os cálculos da Oxfam.

Leia mais em TSF

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
ChinaEconomia

PIB da China cresceu em 2020, apesar da pandemia

MundoSociedade

Número de passageiros de companhias aéreas caiu 60% em 2020

PortugalSociedade

Os preços da pandemia. O que ficou mais caro e mais barato em 2020

MundoSociedade

Covid-19: Micronésia regista primeiro caso desde o início da pandemia

Assine nossa Newsletter