São Tomé reentra em Estado de Calamidade na segunda-feira - Plataforma Media

São Tomé reentra em Estado de Calamidade na segunda-feira

São Tomé e Príncipe reentra na segunda-feira no Estado de Calamidade devido a “evolução do quadro epidemiológico” da Covid-19 no país, que registou, nos últimos oito dias, uma morte e 16 novas infeções, anunciou hoje o governo.

“Pelo facto de, em São Tomé e Príncipe, sentirmos que os indicadores do quadro epidemiológico vêm evoluindo, no quadro do Conselho de Ministros tomámos algumas medidas”, disse aos jornalistas o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, no final de mais uma reunião alargada do Comité de Crise.

“Perante o relaxamento das nossas populações, perante a evolução do quadro epidemiológico, o Comité de Crise propõe que, a partir da segunda-feira, [se decida] aumentar as medidas. Vamos aumentar de nível, vamos passar do Estado de Alerta para o Estado de Calamidade”, acrescentou Jorge Bom Jesus.

O governante sublinha que essa decisão permite ao governo “adotar medidas preventivas”. Sobretudo porque “no próximo mês decorre a quadra festiva do Natal e do Ano Novo, nós queremos que a situação esteja controlada e possamos passar as festas num quadro de estabilidade ao nível da saúde”.

As novas medidas a serem tomadas no âmbito do Estado de Calamidade serão anunciadas na segunda-feira, disse o chefe de Governo, recordando que a maioria delas “são recorrentes e bastante familiares”, incluindo o distanciamento social, higienização e uso das máscaras.

O executivo defende que tem “compromisso com a saúde da população, com a vida de cada são-tomense”, pelo que não irá “regatear esforços para que tudo isso aconteça”, pedindo “compreensão ao povo” e “colaboração máxima”.

O governo diz que vai “mobilizar todos os atores sociais, culturais e políticos para que São Tomé e Príncipe se veja livre mais rapidamente desta doença”.

Em África, há 44.849 mortos confirmados em mais de 1,8 milhões de infetados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

Angola regista 303 óbitos e 12.335 casos, seguindo-se Cabo Verde (100 mortos e 9.291 casos), Moçambique (99 mortos e 13.577 casos), Guiné Equatorial (85 mortos e 5.092 casos), Guiné-Bissau (42 mortos e 2.414 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 960 casos)

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 5,6 milhões de casos e 162.269 óbitos), depois dos Estados Unidos.

Artigos relacionados
Angola

Huíla regista ruptura de stock de testes

AngolaSociedade

“Esta covid-19 está a ser fatídica para os médicos em Angola”

BrasilSociedade

Restabelecimento total de energia no Amapá deve ocorrer semana que vem

Portugal

Consumo dos portugueses já começa a refletir novas restrições

Assine nossa Newsletter