Macau impõe quarentena a quem chegar da prefeitura chinesa de Kazilsu Kirgiz - Plataforma Media

Macau impõe quarentena a quem chegar da prefeitura chinesa de Kazilsu Kirgiz

Macau impôs a partir de hoje a obrigatoriedade de quarentena de 14 dias a todos que queiram entrar no território e tenham estado nos 14 dias anteriores na prefeitura chinesa de Kazilsu Kirgiz, na província de Xinjiang.

A decisão foi tomada após terem sido “encontradas 15 pessoas assintomáticas e infetadas nos cantões de Karekaiqike e de Pilal, do distrito de Akto da prefeitura autónoma de Kazilsu Kirgiz”, no noroeste da China, indicou em comunicado o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

Da mesma forma, as autoridades informaram no domingo que vão contactar a partir de hoje aqueles que já entraram em Macau, de forma a acompanharem o estado de saúde e para organizarem a realização de testes.

“O Centro de Coordenação decidiu, de imediato, transformar a cor do código de saúde dos indivíduos que estiveram da prefeitura autónoma de Kazilsu Kirgiz, Xinjiang, nos últimos 14 dias, para a ‘cor amarela’, sendo que estes (…) necessitam de realizar auto-gestão de saúde, suspender a sua atividade profissional e devem ser acompanhados pelos serviços de saúde”, de acordo com a mesma nota.

Macau foi dos primeiros territórios a ser atingido pela pandemia, tendo registado 46 casos. Atualmente, não tem nenhum caso ativo e não identificado nenhum surto local.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 1,2 milhões de mortos e mais de 46 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Artigos relacionados
ChinaEconomia

Receitas do jogo em Macau sobem 228% em outubro

MacauPolítica

Orçamento 2021: Governo de Macau vai buscar 27 mil milhões à reserva

EconomiaMacau

Governo de Macau prevê receitas de jogo de 130 mil milhões em 2021

ChinaMacau

Macau rejeita “bolhas de viagem” e quer dar confiança à China

Assine nossa Newsletter