Reservas moçambicanas candidatas a Património Mundial da Humanidade

Duas reservas moçambicanas candidatas a Património Mundial da Humanidade

A Reserva Especial de Maputo e a Reserva Marinha Parcial da Ponta do Ouro, duas áreas de conservação em Maputo, vão ser candidatadas a Património Mundial da Humanidade, disse hoje à Lusa fonte oficial.

A candidatura vai ser feita como uma extensão do Parque da Zona Húmida de iSimangaliso (iSimangaliso Wetland Park) na África do Sul que já está classificado como património Mundial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), disse o administrador das reservas, Miguel Gonçalves.

“O objetivo é mostrar que nós temos outros aspetos que agregam valor a iSimangaliso. Seria muito mais complicado se fosse uma candidatura independente”, referiu.

Para o administrador, entre outros fatores, os mangais, dugongos, leitos de ervas marinhas, algumas espécies de árvores agregam valor às reservas moçambicanas, por “não existirem ou não estarem tão bem representados do lado sul-africano”.

Segundo Miguel Gonçalves, as duas áreas de conservação vão ser unificadas e apresentadas como uma só à categoria de Património Natural da Humanidade, considerando que a candidatura “traz uma maior pressão” para a melhoria do plano de maneio das zonas.

“Basicamente estamos a dizer ao mundo que temos sítios únicos, é uma exposição muito maior”, declarou Miguel Gonçalves, referindo que a aprovação pela UNESCO poderá ter “um grande impacto sobre o turismo” naquelas áreas.

De acordo com a fonte, já está a ser preparado um dossier, que deverá ser apresentado, ainda sem data prevista, à UNESCO para avaliação e possível aprovação.

“Estamos com expetativas muito altas, estamos bastante confiantes de que reunimos as condições e critérios exigidos”, disse.

Além do dossier, avançou, vai ser realizada, internamente, uma consulta pública para que as “pessoas que estejam nas áreas tenham conhecimento e exponham a sua opinião em relação à candidatura das reservas.

“É preciso explicar às pessoas o que isto significa e quais são as mais valias que isto traz, porque podem ficar com a impressão de que poderão sair prejudicados”, concluiu.

A Reserva Marinha Parcial da Ponta do Ouro, estabelecida em 2009, tem uma área de 678 quilómetros quadrados e esta´ localizada na extremidade sul do país, ao longo do Canal de Moçambique, junto a` fronteira com a África do Sul.

A reserva é composta por praias com recifes de coral, leitos de ervas marinhas, estuários e florestas de mangal.

Ocupando uma área de 1.040 quilómetros quadrados, a Reserva Especial de Maputo foi estabelecida em 1960 e está localizada a 68 quilómetros do centro da capital, Maputo.

O Governo moçambicano e parceiros têm estado a implementar vários projetos para preservar o ecossistema nesta área, considerada um santuário da vida selvagem junto à costa e também na fronteira mais a sul entre Moçambique e África do Sul.

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Cientista moçambicana ganha prémio da UNESCO com tratamento para covid-19

FuturoPortugal

Programa educativo Apps for Good Portugal recebe prémio da UNESCO

MacauSociedade

UNESCO pede clarificação sobre construções próximas do Farol

MacauPolítica

Governo de Macau diz que pagamento de dívidas à UNESCO está em curso

Assine nossa Newsletter