YouTube toma medidas para conter movimento de ultra-direita QAnon nos EUA - Plataforma Media

YouTube toma medidas para conter movimento de ultra-direita QAnon nos EUA

O YouTube anunciou na quinta-feira está a adotar regras mais rígidas contra a propagação de teorias da conspiração, visando o movimento QAnon. Twitter e Facebook já tinham avançado com medidas contra este movimento de ultra-direita.

O serviço de partilha de vídeos da Google comunicou que está a apertar as suas políticas contra ódio e assédio “para proibir conteúdos que visem um indivíduo ou grupo com teorias da conspiração que têm sido usadas para justificar a violência no mundo real”.

Isto pode significar remover vídeos que ameaçam ou assediam as pessoas, sugerindo que são cúmplices numa conspiração como a Pizzagate, sobre uma suposta rede de tráfico sexual de crianças com ligações à ex-candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton, que operava a partir de uma pizzaria de Washington.

O movimento QAnon cresceu acentuadamente durante a pandemia porque agiu como uma força vinculativa — misturando o seu princípio central antissemita e supremacista branco com teorias da conspiração de longa data sobre vacinas e tecnologia móvel 5G, bem como política de extrema-direita e libertária.

O YouTube disse que já tinha removido “dezenas de milhares de vídeos da QAnon” e encerrado alguns canais utilizados pelo movimento, nomeadamente aqueles que ameaçam explicitamente usar violência ou negam a existência de grandes eventos violentos.

No início deste mês, o Facebook baniu as contas ligadas à QAnon na sua rede social principal e no Instagram. O Twitter iniciou uma repressão na QAnon no início deste ano.

A mais recente medida do YouTube surge no meio de tensões acentuadas sobre a desinformação que se espalhou nas redes sociais, enquanto alguns conservadores acusaram as plataformas de preconceito ao derrubar o conteúdo.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Assine nossa Newsletter