Fim do auxílio emergencial levará um terço do país à pobreza - Plataforma Media

Fim do auxílio emergencial levará um terço do país à pobreza

Em cenário otimista, o equivalente a metade da população de Venezuela, passará a viver com menos de R$ 522,50 ao mês.

Num cenário considerado otimista, o Brasil ampliará em cerca de 16 milhões o total de pessoas consideradas pobres quando o auxílio emergencial pago aos mais vulneráveis terminar, no final de 2020.

Equivalente à metade da população da Venezuela, esse contingente de “novos pobres” ampliará para quase um terço os brasileiros que passarão a viver com menos de R$ 522,50 ao mês, em média. O valor representa menos de meio salário mínimo e cerca de US$ 3 ao dia.

O pagamento do auxílio emergencial durante a pandemia do coronavírus a mais de 65 milhões de brasileiros reduziu de forma inédita e abrupta a pobreza no país, trazendo-a ao seu menor patamar.

O fim do benefício terá o efeito contrário —e rápido. A interrupção dos pagamentos aumentará o total de pobres de 23,6% (50,1 milhões de pessoas) para cerca de 31% (66,2 milhões).
Nesta hipótese mais otimista, considerada muito improvável, o Brasil voltaria, em termos de pobreza, ao mesmo patamar de antes da pandemia, segundo projeções da FGV Social a partir dos microdados da PnadC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) e da PNAD Covid, do IBGE.

O cenário não parece factível por dois motivos principais: durante a pandemia, foram os empregos mais precários, sobretudo no setor de serviços, os que mais sofreram por causa do isolamento social; e a renda dos mais pobres já havia sido a mais afetada.

No segundo trimestre deste ano, que pegou totalmente os efeitos do isolamento social e da paralisação econômica, a renda média dos brasileiros caiu 20%. Mas a dos 50% mais pobres despencou 28%.

Quando o auxílio emergencial começou a ser implementado, em abril, milhões de brasileiros tiveram um súbito aumento de renda, o que fez cair rapidamente a taxa de pobreza.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados

Primeira-ministra da Dinamarca chora e pede desculpa pela gestão da crise dos visons

PortugalSociedade

Portugal com novo máximo em UCI. Mais 67 mortes e 5444 novos casos de Covid-19

PolíticaPortugal

António Costa rejeita colocar idosos fora do acesso prioritário às vacinas

PolíticaPortugal

Saúde diz que plano de vacinação em Portugal ainda não está validado

Assine nossa Newsletter