Maiores bancos privados do Brasil aderem a coligação contra mudanças climáticas - Plataforma Media

Maiores bancos privados do Brasil aderem a coligação contra mudanças climáticas

Os três maiores bancos privados do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, informaram hoje que aderiram à Coligação Brasil Clima, Florestas e Agricultura, criada para tratar das questões decorrentes das alterações climáticas.

A coligação é um movimento multissetorial, composto por entidades que lideram o agronegócio no país sul-americano, as principais organizações civis da área do ambiente e clima, representantes do meio académico, associações setoriais e empresas.

“Por meio desses agentes, a iniciativa procura oportunidades e sinergias entre a agropecuária e a agenda de proteção, conservação e uso sustentável das florestas para mitigar as alterações climáticas”, disseram os bancos num comunicado conjunto.

“O principal objetivo do movimento é implementar ações para promover um novo modelo de desenvolvimento económico pautado pela economia de baixo carbono e, desta maneira, responder aos desafios das mudanças climáticas e cujo objetivo é procurar avanços concretos na agenda do clima e da agropecuária no Brasil”, acrescentou o mesmo documento.

No mês de julho, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander já se tinham unido em torno de outra iniciativa relacionada com questões ambientais, a criação do Plano Amazónia, cujo objetivo é promover o desenvolvimento sustentável da região e a proteção da maior floresta tropical do planeta.

O plano divulgado pelos bancos brasileiros inclui medidas construídas a partir de três frentes de atuação identificadas como prioritárias para a região: conservação ambiental e desenvolvimento da bioeconomia, investimento em infraestrutura sustentável e garantia dos direitos básicos da população da região amazónica.

A ação dos bancos brasileiros valoriza a agenda ambiental num momento em que críticas recorrentes de agentes do mercado estrangeiros, ambientalistas e especialistas contra o Brasil reagiram à devastação da floresta amazónica e das queimadas no Pantanal.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPolítica

Departamento de Defesa dos EUA não autoriza exploração de mina polémica no Alasca

BrasilSociedade

Bolsonaro quer nova estrada no coração da Amazónia

EconomiaMundo

Reino Unido vai proibir venda de automóveis a diesel e gasolina a partir de 2030

BrasilFuturo

Ararinhas-azuis, extintas na natureza, serão libertadas na natureza em 2021

Assine nossa Newsletter