Empresas da UE vendem à China tecnologia de vigilância

Empresas da UE vendem à China tecnologia de vigilância

A Amnistia Internacional (AI) alertou ontem que três empresas europeias vendem a agências de segurança pública na China tecnologia de vigilância que pode contribuir para o aumento dos abusos de direitos humanos naquele país.

O alerta baseia-se numa investigação da organização de defesa dos direitos humanos, divulgada por ocasião da reunião prevista para terça-feira em Bruxelas de representantes das três instituições europeias – Parlamento Europeu, Comissão e Conselho (presidência) – sobre uma revisão das regras aplicadas às exportações da União Europeia (UE).

Segundo a Amnistia Internacional (AI), três empresas europeias, com sede em França, na Suécia e na Holanda, “venderam sistemas de vigilância digital, como tecnologia de reconhecimento facial e sistemas de câmaras em rede, para os principais intervenientes do aparelho de vigilância em massa chinês”.

A AI alerta que “em alguns casos, os dispositivos exportados foram diretamente usados em programas indiscriminados de vigilância em massa, com o risco de serem utilizados contra uigures e outros grupos étnicos predominantemente muçulmanos em todo o país”.

Ainda segundo a AI, “a maioria dos governos da UE, incluindo a França e a Suécia, está a resistir aos apelos para fortalecer as regras de exportação de forma a incluir fortes salvaguardas de direitos humanos na tecnologia de vigilância biométrica, uma área que as empresas europeias dominam”.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoPolítica

Forças polacas usam gás lacrimogéneo contra migrantes

MundoPolítica

UE e Bielorrússia abordam crise migratória na véspera de reunião

MundoPolítica

Migrantes vindos da Bielorrússia presos ao chegarem à Polónia

MundoPolítica

Putin exorta Europa a retomar diálogo com Bielorrússia

Assine nossa Newsletter