Empresas da UE vendem à China tecnologia de vigilância

Empresas da UE vendem à China tecnologia de vigilância

A Amnistia Internacional (AI) alertou ontem que três empresas europeias vendem a agências de segurança pública na China tecnologia de vigilância que pode contribuir para o aumento dos abusos de direitos humanos naquele país.

O alerta baseia-se numa investigação da organização de defesa dos direitos humanos, divulgada por ocasião da reunião prevista para terça-feira em Bruxelas de representantes das três instituições europeias – Parlamento Europeu, Comissão e Conselho (presidência) – sobre uma revisão das regras aplicadas às exportações da União Europeia (UE).

Segundo a Amnistia Internacional (AI), três empresas europeias, com sede em França, na Suécia e na Holanda, “venderam sistemas de vigilância digital, como tecnologia de reconhecimento facial e sistemas de câmaras em rede, para os principais intervenientes do aparelho de vigilância em massa chinês”.

A AI alerta que “em alguns casos, os dispositivos exportados foram diretamente usados em programas indiscriminados de vigilância em massa, com o risco de serem utilizados contra uigures e outros grupos étnicos predominantemente muçulmanos em todo o país”.

Ainda segundo a AI, “a maioria dos governos da UE, incluindo a França e a Suécia, está a resistir aos apelos para fortalecer as regras de exportação de forma a incluir fortes salvaguardas de direitos humanos na tecnologia de vigilância biométrica, uma área que as empresas europeias dominam”.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Cimeira virtual dos líderes da UE no dia 29 para discutir pandemia

MundoPolítica

Amnistia Internacional denuncia violação de direitos humanos durante os protestos no Chile

ChinaMundo

Pedida exclusão de China e Arábia Saudita do Conselho dos Direitos Humanos da ONU

MundoPolítica

ONU estende missão de investigação sobre violações de direitos humanos na Venezuela

Assine nossa Newsletter