Quarenta anos depois, o assassino de John Lennon pede desculpa

por Gonçalo Lopes

O homem que matou a lenda dos Beatles viu negada a liberdade condicional pela décima vez.

Foi a 8 de dezembro de 1980 que John Lennon, músico dos Beatles, foi assassinado com quatro tiros por Mark Chapman, em Nova Iorque. Agora, 40 anos depois e em pleno tribunal, o assassino pediu desculpas à viúva Yoko Ono.

Mark Chapman está em prisão perpétua numa cadeia de Nova Iorque, e viu a sua liberdade condicional ser-lhe negada pela décima vez após uma audiência em agosto. De acordo com a BBCChapman assumiu que matou Lennon pela “glória” e que nada pode argumentar se os juízes decidirem mantê-lo na cadeia até ao fim da vida.

“Quero reiterar que lamento o crime que cometi. Não tenho desculpa. Foi pela minha própria glória. É o pior crime que se pode cometer contra alguém inocente”, admitiu.

Leia mais em TSF

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!