Entrada de estrangeiros no Grande Prémio não acarreta “grande risco”

Entrada de estrangeiros no Grande Prémio não acarreta “grande risco”

O médico Alvis Lo Iek Long explicou ontem que não se espera que a entrada de pilotos e equipas para o Grande Prémio de Macau tenha impacto na situação epidémica, dadas as medidas de prevenção. Por outro lado, as associações vão receber orientações para eventos no Dia Nacional

Avaliando os interesses sociais e o grau de risco, considerou-se que o Grande Prémio é “um evento emblemático e histórico de Macau” que pode ajudar à recuperação do sector turístico. Foi assim que Alvis Lo Iek Long, da direcção do Centro Hospitalar Conde São Januário, justificou ontem a realização do evento e a participação de não residentes do exterior.

“O Grande Prémio é um certame internacional icónico de Macau, já com longa história, que poderá contribuir para a recuperação do turismo [da RAEM]”, frisou Alvis Lo Iek Long.

O médico tentou tranquilizar a população, explicando que os pilotos e equipas, “apesar de serem estrangeiros”, ao realizarem observação médica de 14 dias e dois testes de ácido nucleico é possível garantir que o evento não acarreta um “grande risco” para a epidemia no território.

Leia mais em Hoje Macau

Artigos relacionados
BrasilCultura

Covid-19: Galeria Solidária arrecada e distribui a fotógrafos prejudicados pela pandemia

PortugalSociedade

Mais 688 casos e seis mortes em Portugal nas últimas 24 horas

AngolaSociedade

Professores angolanos do ensino geral testados a partir de amanhã

MundoSociedade

Guterres lamenta um milhão de mortos e diz que mundo tem de aprender

Assine nossa Newsletter