Arquiteto brasileiro doa acervo a instituição portuguesa e é alvo de protestos - Plataforma Media

Arquiteto brasileiro doa acervo a instituição portuguesa e é alvo de protestos

O acervo do arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, Prémio Pritzker 2006, foi incorporado na Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura, em Matosinhos, distrito do Porto. Uma decisão que não está a ser bem aceite no Brasil.

A escolha da instituição portuguesa foi do próprio arquiteto de 91 anos, vencedor do Pritzker em 2006, o principal prémio de arquitetura no mundo. “A relação do Paulo com a Casa já é longa. Ele poderia ter escolhido qualquer instituição do mundo”, diz o arquiteto Nuno Sampaio, diretor-executivo do museu.

Mendes da Rocha tem uma longa ligação com a instituição portuguesa, tendo recebido o título de sócio honorário da Casa da Arquitectura em 2018.

Dentro das caixas que chegaram a Portugal estão cerca de 8800 objetos, relativos a mais de 320 projetos, e “é composta por cerca de 6300 desenhos analógicos, 1300 desenhos físicos, três mil fotografias e ‘slides’, um conjunto de maquetes feitas pelo próprio” Mendes da Rocha e aproximadamente 300 publicações, segundo o comunicado da instituição.

Segundo o responsável pela instituição portuguesa, o acervo já foi catalogado e agora será guardado. Depois, será disponibilizado de forma gratuita para investigadores e arquitetos que o desejem consultar e servirá de matéria-prima para exposições sobre a obra de Mendes da Rocha.

Embora tenha sido uma decisão do próprio arquiteto, a saída do acervo do Brasil gerou polémica entre arquitetos brasileiros e críticas de profissionais e instituições.

Em nota, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo disse lamentar a decisão de Mendes da Rocha e que “com grande pesar tomou ciência da concretização da doação do acervo”.

A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, com grande pesar, tomou ciência da concretização…

Publiée par FAU USP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo sur Mercredi 9 septembre 2020

“Apesar de inúmeras tratativas e propostas de recebimento do seu acervo, a decisão soberana do arquiteto foi diversa da nossa expectativa. O acervo de Paulo Mendes da Rocha teria para nós um duplo significado. Por um lado, a importância do material, nos seus próprios termos, e seu vínculo com a história desta instituição pública de ensino. Por outro integraria o maior acervo público de arquitetura, urbanismo e design”, diz o texto.

Vários arquitetos também se pronunciaram publicamente sobre o assunto. “A despeito de seus méritos, [a Casa da Arquitectura] não é uma instituição de ensino e pesquisa, nem muito menos pública, mas um centro privado de guarda de acervos e exposições de arquitetura. E pior, fora do Brasil. É desanimador saber disso. E num momento de erosão cultural do país”, escreveu o arquiteto e professor José Lira nas redes sociais.

“É um momento triste para a cultura arquitetônica brasileira, em especial para todos aqueles que lutam pela preservação de acervos arquitetônicos”, escreveu o também arquiteto e professor Renato Anelli. “Não discuto a qualidade e importância da Casa da Arquitectura. Questiono a desnacionalização de um acervo dessa importância. O Brasil fica mais pobre.”

Artigos relacionados
CulturaLusofonia

Exposição “Urbanismos de Influência Portuguesa” na UCCLA no dia 22 de outubro

Grande BaíaMacau

Associação de Macau integra aliança para promover espaço urbano na Grande Baía

MacauSociedade

Evolução da cidade e preservação de edifícios

Uncategorized

Arquitetura de Macau premiada no Reino Unido

Assine nossa Newsletter