Supremo do Brasil vai decidir se o Estado pode obrigar os pais a vacinarem os filhos - Plataforma Media

Supremo do Brasil vai decidir se o Estado pode obrigar os pais a vacinarem os filhos

O Supremo Tribunal Federal vai decidir se os pais podem deixar de vacinar os seus filhos menores de idade por convicções filosóficas, religiosas, morais ou existenciais

Por unanimidade, os ministros da Corte reconheceram a existência de repercussão geral em recurso que trata da matéria. Não há previsão para que o caso seja colocado em pauta.

Ao se manifestar pela existência de repercussão geral da matéria, o relator do recurso, ministro Luís Roberto Barroso, observou que o caso envolve a definição dos contornos da relação entre Estado e família na garantia da saúde das crianças e adolescentes, bem como os limites da autonomia privada contra imposições estatais.

“De um lado, tem-se o direito dos pais de dirigirem a criação dos seus filhos e a liberdade de defenderem as bandeiras ideológicas, políticas e religiosas de sua escolha. De outro lado, encontra-se o dever do Estado de proteger a saúde das crianças e da coletividade, por meio de políticas sanitárias preventivas de doenças infecciosas, como é o caso da vacinação infantil”, explicou.

Para Barroso, o tema tem relevância social, em razão da natureza do direito requerido e da importância das políticas de vacinação infantil determinadas pelo Ministério da Saúde. Além disso, possui relevância política em razão do crescimento e da visibilidade do movimento antivacina no Brasil. Já do ponto de vista jurídico, o caso está relacionado à interpretação e ao alcance das normas constitucionais que garantem o direito à saúde das crianças e da coletividade e a liberdade de consciência e de crença, indicou o STF.

Leia mais em ISTOÉ

Related posts
MundoSociedade

EUA apostam em campanha anual de reforço contra Covid

BrasilSociedade

Seis capitais brasileiras começaram a vacinar crianças de 3 a 5 anos

MundoSociedade

Desinformação sobre a covid reforça o movimento antivacinas

MundoSociedade

Vacinas evitaram 19,8 mihões de mortes por covid-19 das 31,4 milhões potenciais

Assine nossa Newsletter