Ex-militares angolanos recebem kits no combate à fome e pobreza

Ex-militares angolanos recebem kits profissionais no combate à fome e pobreza

Ao todo, 450 ex-militares na província do Bié receberam, na terça-feira, na cidade do Cuito, kits para serralharia, alfaiataria e agricultura, no âmbito do Programa de Combate à Fome e Pobreza.

A entrega dos meios, testemunhada pelo governador da província, Pereira Alfredo, enquadrou-se nas festividades do 85º aniversário da cidade do Cuito, assinalado no dia 31 de Agosto. O governador do Bié considerou, na oportunidade, que os projectos em curso do combate à fome e pobreza visam impulsionar a sustentabilidade social e económica das famílias.

Pereira Alfredo explicou que a aplicação dos projectos, a cargo do Instituto de Reinserção Social dos Ex-Militares (IRSEM) vai, de forma progressiva, reduzir a dependência extrema a que está submetida aquela franja da sociedade.

O chefe do departamento de projectos do IRSEM, Constantino José, disse que a instituição tem como meta reintegrar, no mercado de trabalho, 5.225 ex-militares nos próximos anos.

O responsável esclareceu que a direcção do IRSEM controla mais de 18 mil ex-militares e alargou a implementação de projectos sociais. Referiu-se, igualmente, às acções decorrentes do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

A realização de projectos nos domínios da Agricultura, Comércio, serralharia e alfaiataria, que estão a elevar os índices motivacionais dos ex-militares foram, também, realçados pelo chefe do departamento de projectos do IRSEM.

Isaac Silas, ex-militar contemplado com um kit de serralharia, disse que a oportunidade serve para a projecção dos seus negócios e aliviar as carências que estava a viver.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Em 2018, 12,1% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza

LifestyleMundo

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

MoçambiqueSociedade

Fome continua a desafiar a pandemia nos arredores de Maputo

Sociedade

Iémen está em risco 'iminente' de sofrer pior fome do mundo em décadas, diz ONU

Assine nossa Newsletter