Pandemia agrava exploração dos miúdos enroladores de cigarros em Minas Gerais - Plataforma Media

Pandemia agrava exploração dos miúdos enroladores de cigarros em Minas Gerais

Produção de cigarros de palha tem trabalho infantil, jornadas exaustivas e outras violações agravadas pela pandemia

Com as aulas suspensas devido à pandemia do novo coronavírus, Cecília Lima*,13 anos, aumentou sua carga de trabalho enrolando cigarros de palha durante a pandemia. Ela reclama de dor nas costas enquanto trabalha sentada na calçada de sua casa, em Pitangui, a 130 quilômetros de Belo Horizonte. Para enrolar dois mil cigarros, sua família ganha, por semana, R$ 100, valor pago por um intermediário, que faz a ponte com as fabricantes.

Trabalho infantil, jornada exaustiva e não fornecimento de máscaras, como ocorre na casa de Cecília, são alguns dos abusos que atingem o setor no qual trabalham milhares de famílias da região centro-oeste de Minas Gerais.

No Brasil, o trabalho de crianças e adolescentes com menos de 16 anos é proibido pela Constituição Federal, pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Nas margens da rodovia entre Papagaios e Pitangui, no distrito de Vargem Grande, em Minas Gerais, quatro irmãs estão sentadas na calçada enrolando cigarros. Uma delas começou na atividade aos 12 anos. Hoje com 17, ela vê o trabalho com desalento. Todas reclamam de dores nas costas, no pescoço e de alergias provocadas pelo contato constante com o fumo.

Os enroladores de cigarro de palha não têm garantido nenhum direito trabalhista. Os intermediários que contratam os serviços das famílias não fornecem equipamentos de segurança, máscaras e itens básicos, como cadeiras adequadas para atividade. Os trabalhadores sentam em bancos sem encosto, no chão ou nas calçadas.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
EconomiaMundo

As profissões mais atrativas durante a pandemia

ChinaSociedade

Aumento do desemprego expõe precariedade dos trabalhadores migrantes

BrasilSociedade

Padre critica fiéis que não vão à missa por medo: "Tomara que morram antes da vacina chegar"

ChinaPortugal

Portugueses já podem voltar a entrar na China

Assine nossa Newsletter