Sinopharm lança teste de vacinas no Brasil, após Sinovac

Sinopharm lança teste de vacinas no Brasil, após Sinovac

O quarto grande teste de vacina Covid-19 no Brasil, e o segundo por uma empresa chinesa, deve ser lançado pela Sinopharm, depois de um acordo com o Paraná.

Jorge Callado, chefe do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), disse que em breve finalizará a sua proposta e a submeterá à aprovação da Anvisa, órgão regulador federal da saúde.Um teste da Sinopharm juntaria-se aos testes da fase III já anunciados no Brasil pela Sinovac Biotech, também da China, AstraZeneca e uma parceria da Pfizer com a BioNTech.

A vacina candidata da Sinopharm já está a ser testada nos Emirados Árabes Unidos com cerca de 15 mil voluntários.

O surto de Covid-19 no Brasil, o segundo pior do mundo a seguir ao que ocorre nos Estados Unidos da América, tornou o páis num campo de testes global para possíveis vacinas.

O Paraná também está a conversar com investigadores russos sobre a possível produção da potencial vacina, revelou o governo do estado em comunicado, acrescentando que o governador Ratinho Júnior encontrar-se-á com o embaixador da Rússia no Brasil, brevemente.

Os ensaios de fase III, uma etapa crucial dos testes necessários para provar a eficácia e garantir a aprovação dos reguladores, geralmente exigem dezenas de milhares de participantes e, com o surto na China amplamente sob controle, as empresas estão tendo que testar suas vacinas em outros lugares.

As empresas chinesas estão na vanguarda dos esforços globais para criar uma vacina para combater o SARS-CoV-2, com mais de meia dúzia de projetos candidatos em desenvolvimento clínico.

De acordo com a revista Nature, a CanSino Biologics, com sede em Tianjin, publicou resultados de um ensaio clínico em estágio inicial, mostrando que a sua vacina é segura e pode desencadear uma resposta imune.

Mas muitos cientistas dizem que ainda podem ter dificuldade para inscrever voluntários e empregar profissionais de saúde suficientes para coletar dados. “As empresas chinesas precisarão de sair da China”, admite Jerome Kim, diretor-geral do Instituto Internacional de Vacinas em Seul, à Nature.

Testes clínicos avançados da vacina Sinovac começaram no mês passado no Brasil, com as primeiras doses a serem administradas a cerca de 900 voluntários. A Sinovac está presente nos ensaios em parceria com um centro brasileiro de pesquisa em saúde pública, o Instituto Butantan.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoSociedade

Cantar e falar alto aumentam risco de contágio por covid-19

MundoSociedade

AstraZeneca debaixo de fogo. Voluntárias da vacina desenvolvem sintomas graves

PortugalSociedade

Uso da máscara na rua: confronto de dois especialistas

MundoPolítica

OMS diz que 172 países querem universalização da vacina contra a Covid-19

Assine nossa Newsletter