Ex-Ministro das Finanças da Malásia preso por corrupção - Plataforma Media

Ex-Ministro das Finanças da Malásia preso por corrupção

Lim Guan Eng assinou acordo para construção do túnel submarino, cujo projeto foi adjudicado à China

O ex-Ministro das Finanças da Malásia Lim Guan Eng foi preso após acusações de corrupção ligadas a um projeto de túnel submarino adjudicado a uma empresa chinesa no valor de 1,5 mil milhões de dólares, revelou o governo malaio esta quinta-feira.

Lim, um membro importante do governo de Pakatan Harapan deposto em março, passou a noite na prisão e comparecerá no tribunal hoje para enfrentar as acusações.

Num breve comunicado, a Comissão Anticorrupção da Malásia (MACC, na sigla inglesa) disse que Lim enfrenta três acusações em três sessões de tribunal distintas: hoje, segunda e terça-feira.

O seu veículo automóvel foi visto a entrar na sede da agência anti-corrupção na capital administrativa de Putrajaya, ontem ao final da tarde. Nas últimas semanas, Lim tem ajudado as autoridades nas investigações sobre o projeto do túnel no estado de Penang.

O acordo, assinado durante o mandato de Lim como ministro-chefe de Penang (2008-2018), envolve uma troca de terras para financiar a construção de auto-estradas, uma ligação de metro e um túnel submarino que deverá conetar a ilha de Penang à península continental da Malásia. O projeto já está em andamento.

A adjudicação foi realizada através de concurso público, em 2013, a um consórcio formado pela empresa malaia Zenith Construction e pela chinesa Beijing Urban Construction Group, financiado pelo Estado chinês. Mais tarde, a empresa malaia comprou a participação da empresa chinesa no consórcio. Atualmente, a China Railway Construction Company (CRCC) é a empreiteira do projeto.

Artigos relacionados
PortugalSociedade

General condenado a seis anos de prisão por corrupção

Desporto

Banco suíço negocia com a justiça devolução milhões de dólares de escândalo da FIFA

AngolaPolítica

"Corrupção em Angola vem desde o início da Independência"

PolíticaPortugal

Ministra da justiça diz que o combate à corrupção não passa pela delação premiada

Assine nossa Newsletter