Macau pode ser importante mercado de obrigações 'verdes' na lusofonia - Plataforma Media

Macau pode ser importante mercado de obrigações ‘verdes’ na lusofonia

O diretor da Academia de Economia e Gestão para a Ásia-Pacífico da Universidade de Macau (UM) disse à Lusa que Hong Kong e Macau podem tornar-se importantes mercados de finanças e obrigações verdes para países lusófonos

“A procura estimada por finança ‘verde’ e obrigações ‘verdes’ para os países de língua portuguesa é alta porque muitos deles são países em desenvolvimento, que tentam aumentar o crescimento com custos mais baixos”, defendeu Jacky Yuk-Chow So.

Hong Kong e Macau “são ambos uma zona franca e portos com taxas baixas”, razão pela qual “o capital pode entrar e sair sem muito problema, o que pode ser muito atrativo para os investidores internacionais”, acrescentou o professor.

Ou seja, concluiu, “talvez, Hong Kong e Macau possam tornar-se no primeiro e segundo mercado da finança ‘verde’ e obrigações ‘verdes’ para os países de língua portuguesa”, referindo-se a este mercado financeiro emergente de títulos de dívida associados a investimentos ‘amigos’ do ambiente.

No caso de Macau, o território “tem vantagem comparativa por causa da sua história, cultura e língua” ligada a Portugal, tanto mais porque “poderia oferecer benefícios de diversificação para a indústria dos ‘resorts’ integrados e casinos”, sustentou.

Jacky Yuk-Chow So lembrou que a região da Grande Baía, que inclui Hong Kong, Macau e nove cidades chinesas da província de Guagdong, “acumulou muito capital e está a procurar oportunidades de investimento”, algo que pode ser aproveitado pelos países de língua portuguesa.

No caso concreto das obrigações ‘verdes’ e dos países lusófonos em desenvolvimento, muitos “precisam de garantias do Banco Mundial e/ou do FMI [Fundo Monetário Internacional] para os seus empréstimos/obrigações de forma a reduzir os custos de juros”, pelo que esta é uma modalidade de financiamento atrativa, sublinhou o especialista da UM.

De resto, os últimos relatórios do Banco Mundial, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e outras entidades internacionais “apontam que o Brasil, a China, e um ou dois países de língua portuguesa são bastante bem-sucedidos em usar finança ‘verde’ e obrigações ‘verdes’ para tratar os problemas ambientais”, com o “Brasil e a China (…) entre os principais emissores de títulos ‘verdes’”, salientou.

“Muitos desses países [lusófonos] são especializados em agricultura e produtos marinhos. A poluição de água e a poluição do solo são mais graves nesses países. Além disso, (…) não têm capital suficiente para resolver muitos problemas de poluição, que exigem muito capital”, explicou.

Em outubro, o Banco da China em Macau realizou emissões de obrigações ‘verdes’ no valor de sete mil milhões de yuan (850 milhões de euros) em três moedas (dólar, euro e renmimbi) “que incluíram clientes lusófonos”, indicou à Lusa a instituição.

“Com base na tendência global do desenvolvimento ‘verde’ e em linha com o plano nacional de desenvolvimento, o Governo da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau] anunciou recentemente quatro aspetos para promover o desenvolvimento das finanças ‘verdes’”, recordou a mesma entidade bancária.

“Entre eles, as obrigações ‘verdes’ são o ponto de entrada para o desenvolvimento da finança ‘verde’ em Macau. Além de melhorar alguns regulamentos legais, vai reduzir gradualmente o custo da emissão para ajudar a atrair mais instituições a emitirem títulos verdes no território”, sublinhou o Banco da China.

Contudo, “de acordo com o mercado, nenhum emissor de Macau anunciou que irá emitir títulos ‘verdes’ a breve prazo”, ressalvou a instituição.

As finanças e obrigações ‘verdes’ têm sido apontadas pelas autoridades de Macau como uma das apostas de um futuro mercado bolsista denominado em renminbi para desenvolver “uma indústria financeira moderna, a diversificação da economia e o reforço dos projetos de cooperação entre a China e os países lusófonos.

Uma estratégia que se cruza com o estatuto de Macau enquanto plataforma de serviços económicos e comerciais entre a China e os países de língua portuguesa e o novo papel do território no projeto de Pequim de criar a região da Grande Baía, uma metrópole mundial com cerca de 70 milhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto (PIB) que ronda os 1,2 biliões de euros.

Artigos relacionados
EconomiaMacau

AMCM alerta para incertezas dos mercados financeiros

ChinaSociedade

China vai encerrar gradualmente todos os mercados de aves vivas

EconomiaLifestyle

A globalização do TikTok

EconomiaMundo

Mundo impreparado para crise global causada pela pandemia

Assine nossa Newsletter