Suécia chocada por morte de menina em tiroteio - Plataforma Media

O seu nome era Adriana, tinha 12 anos e foi morta a tiro num bairro tranquilo da Suécia

A criança foi apanhada no meio de uma guerra de gangues e acabou por ser morta a tiro no domingo em frente a um McDonalds, num bairro tranquilo no sul de Estocolmo. A Suécia tem uma das menores taxas de homicídios do mundo mas enfrenta o crescimento de gangues perigosos e rivais

A morte a tiros de uma menina de 12 anos, perto de Estocolmo, no domingo, causou grande comoção na Suécia. O caso ocorre num momento em que o país nórdico, que tem uma das mais baixas taxas de homicídios do mundo, sofre um aumento de tiroteios entre gangues rivais.

A rapariga foi apanhada por fogo cruzado entre elementos de dois gangues no domingo de manhã, frente a uma loja de “fast-food” em Norsborg, um bairro modesto e em geral tranquilo, situado no sul da capital sueca, Estocolmo, informou a polícia.

Desde o anúncio da morte, os moradores têm vindo a depositar flores e velas, em forma de um coração, no local do crime. Na rede social Twitter já surgiu a hastag #HerNameWasAdrianaNaghei, em alusão ao nome da vítima, Adriana Naghei, polaca de origem.

“Isso não deveria mais acontecer. Era uma menina de 12 anos! Quem vive aqui merece uma vida melhor”, afirma indignada Christina Lundström, uma moradora de 51 anos que se aproximou para rezar.

“Nenhum político está aqui para demonstrar o seu apoio, que vergonha!”, criticou Daniel Acat, de 32.

O ministro da Justiça, Morgan Johansson, manifestou à agência de notícias TT o seu “choque e repulsa” por um caso que provocou inúmeras reações.

Segundo a imprensa sueca, dois membros de um gangue criminoso presentes no local foram os verdadeiros alvos dos inúmeros tiros.

A Suécia enfrenta, há vários anos, um problema de uso de dispositivos explosivos e de tiroteios contra prédios, veículos e, mais recentemente, pessoas.

No primeiro semestre de 2020, 20 pessoas morreram na Suécia em 163 tiroteios, de acordo com a polícia. No ano passado, foram registrados 42 óbitos em 334 incidentes violentos.

Artigos relacionados
MundoPortugal

Um emigrante português em Estocolmo: "Quando uso máscara sinto-me marciano"

PortugalSociedade

Investigação conclui que inspetores mataram ucraniano à pancada

MundoSociedade

"Por favor, parem. Estou a sufocar."

MundoSociedade

Francês quer transmitir ao vivo a sua morte após recusa de eutanásia

Assine nossa Newsletter