Início » Republicanos e democratas recusam adiamento de eleições sugerido por Trump

Republicanos e democratas recusam adiamento de eleições sugerido por Trump

Huaxia

Parlamentares do Partido Republicado e do Partido Democrata contestaram sugestão do presidente. Especialistas jurídicos deixaram claro que o presidente Donald Trump não tem autoridade para adiar a eleição presidencial, já que a Constituição dos EUA dá ao Congresso o poder de definir a data.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, recusou a ideia de forma muito direta. “Nunca na história do país, com guerras, depressões e Guerra Civil, nunca deixámos de ter uma eleição federal programada a tempo”, disse McConnell, republicano de Kentucky, a uma emissora de TV local.

“Encontraremos uma maneira de fazer isso novamente a 3 de novembro”, disse ele. “Vamos lidar com qualquer que seja a situação e ter a eleição em 3 de novembro, como já está marcado.”

Em um tweet na manhã de quinta-feira, Trump afirmou que 2020, com votação por correio, será “a eleição mais imprecisa e fraudulenta da história”.

“Será um grande embaraço para os EUA”, continuou ele. “Atrase a eleição até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida ???”

Especialistas jurídicos deixaram claro que Trump não tem autoridade para adiar a eleição presidencial, já que a Constituição dos EUA dá ao Congresso o poder de definir a data.

“O tweet de Trump é errado e perigoso”, disse Elie Honig, analista jurídica da CNN e ex-promotora federal e estadual.

“O presidente não tem poder legal para atrasar a eleição. A Constituição dá o poder de definir a data da eleição ao Congresso, que o fez através da legislação, tuitou Honig. “Somente o Congresso – maioria dos votos do Senado e da Câmara – pode mudar isso”.

Além de McConnell, um número crescente de republicanos também se manifestou contra a sugestão de Trump, incluindo a presidente do Comité Judiciário do Senado, Lindsey Graham, aliada próxima do presidente.

Republicano da Carolina do Sul, Graham disse a repórteres no Capitólio que acredita que não seria uma boa ideia adiar a eleição.

“Tenho preocupações de que os boletins de voto enviados por correio sejam a maneira exclusiva de votar, mas não acredito que devamos atrasar as eleições”, disse ele. “Na Carolina do Sul, tivemos uma primária muito grande em junho e conseguimos fazê-lo pessoalmente. Acho que podemos votar com segurança pessoalmente em novembro”.

Leia mais em Xinhua

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!