Imunidade à covid-19 diminuirá ao longo do tempo - Plataforma Media

Imunidade à covid-19 diminuirá ao longo do tempo

A imunidade baseada em anticorpos, adquirida após a recuperação da covid-19, poderá desaparecer em poucos meses. Isto de acordo com um novo estudo, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz de longo prazo.

“Este trabalho confirma que as respostas de anticorpos protetores em pessoas infetadas com SARS-CoV-2 (…) parecem decair rapidamente”, afirmou esta segunda-feira Stephen Griffin, professor associado da Escola de Medicina da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

“As vacinas em desenvolvimento deverão ou gerar proteção mais forte e duradoura contra infeções naturais ou ser administradas regularmente”, acrescentou o médico, que não participou do estudo.

“Se a infeção fornece níveis de anticorpos que diminuem em dois a três meses, a vacina potencialmente fará a mesma coisa e uma única injeção poderá não ser suficiente”, explicou Katie Doores, principal autora do estudo, ao jornal “The Guardian”.

O estudo da universidade King’s College, em Londres, que ainda não foi submetido a revisão pelos pares, foi publicado no site medrxiv.

Os investigadores estudaram a resposta imunológica de mais de 90 casos confirmados (incluindo 65 por testes virológicos) e mostram que os níveis de anticorpos neutralizantes, capazes de destruir o vírus, atingem o pico médio em torno de três semanas após o início dos sintomas, depois diminuem rapidamente.

De acordo com exames de sangue, mesmo os indivíduos com sintomas leves tiveram uma resposta imune ao vírus, mas geralmente menor do que nas formas mais graves. Apenas 16,7% dos indivíduos ainda apresentavam altos níveis de anticorpos neutralizantes 65 dias após o início dos sintomas.

Leia mais em Jornal de Notícias

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
ChinaSociedade

Província chinesa regista três casos importados de Portugal

Cabo VerdeEconomia

Cabo Verde já recebeu 19 milhões de euros em apoios da União Europeia

PortugalSociedade

Novos casos estabilizam em Portugal mas internados estão a aumentar

ChinaSociedade

China testou vacinas em 60 mil pessoas "sem efeitos adversos sérios"

Assine nossa Newsletter