Ministro da Economia brasileiro anuncia "quatro grandes privatizações" para breve - Plataforma Media

Ministro da Economia brasileiro anuncia “quatro grandes privatizações” para breve

Paulo Guedes, em entrevista à CNN Brasil, revelou que estão há um ano em negociações, mas que “ainda não caminharam no ritmo desejado”. O prazo para concretização das privatizações anunciadas é de três meses.

O governo brasileiro fará quatro grandes privatizações em até 90 dias, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista neste domingo à CNN. “Vocês vão saber já, já. Estamos há um ano mapeando isso”, disse. Ele reconheceu que as privatizações, até agora, não caminharam no ritmo desejado. “A prioridade no início era Previdência, mudança de mix entre regime fiscal e monetário, e mudar trajetória dos salários do funcionalismo, que cresciam muito acima da inflação”, disse o ministro.

Guedes não quis detalhar quais serão as companhias privatizadas nesse curto prazo. Ao ser perguntado se os Correios estavam incluídos, ele respondeu: “Seguramente, não vou falar quando (será a privatização), mas seguramente”.

Na entrevista, Guedes também detalhou projetos para a indústria brasileira. Ele afirmou que as indústrias terão menos encargos e menos subsídios. O setor automotivo, por exemplo, terá crédito de curto prazo daqui até o final do ano com garantia matriz. Segundo o ministro, o governo atual mudará o que era feito em governos anteriores. “Guerra fiscal é suicida”, disse. “Estados se matam perdendo receita, indústria se perde correndo atrás de subsídio, e resultado é um desastre. Então não contem conosco para continuar no mesmo jogo equivocado que vocês (indústria automotiva) têm feito. Agora vai ser diferente.”

Guedes acredita que o novo cenário econômico é positivo para a indústria. “Vamos para impostos mais baixos, temos juros baixos e câmbio acima de R$ 5, isso empurra Brasil em direção a vantagem comparativa”, afirmou. “Se conseguirmos exportar mais para a Ásia – não só a China -, o Brasil terá boom de crescimento extraordinário nos próximos anos. E nossa indústria vai resistir melhor do que hoje, porque hoje tem impostos excessivos e o clima de negócios não é próprio”.

leia mais na IstoÉ

Artigos relacionados
BrasilEconomia

Brasil regista nono corte consecutivo na taxa básica de juros

BrasilEconomia

Quem tem poder político e económico não paga impostos, diz ministro brasileiro

BrasilEconomia

Mais de 4 milhões de beneficiários recebem hoje auxílio emergencial

BrasilEconomia

Bolsonaro e Guedes querem tirar bilhões dos ricos da classe média

Assine nossa Newsletter