Ataque no norte de Moçambique “foi como o fim do mundo” - Plataforma Media

Ataque no norte de Moçambique “foi como o fim do mundo”

O número de pessoas deslocadas está a crescer, dia-a-dia, em Cabo Delgado, província do norte de Moçambique. Em fevereiro deste ano, pelo menos 200 mil pessoas foram deslocadas devido ao conflito naquela área que teima em não acabar. Desde então, numerosos ataques a aldeias da região desarraigaram milhares de pessoas das suas casas

Grupos armados estão realizar ataques nesta região complexa e rica em recursos. Hoje, o norte de Moçambique é o epicentro das tensões sociais e económicas no país, resultando em consequências devastadoras para o povo da região. Para agravar a situação é um dos piores focos de Covid-19 no território.

Durante um ataque de insurgentes a 28 de maio, refere a Médicos Sem Fronteiras (MSF), quatro funcionários da ONG estavam a trabalhar no centro de saúde em Macomia, pouco antes de ser saqueado e queimado. Naquele dia, 27 funcionários da organização MSF que moravam em Macomia fugiram com a população local, evitando as balas perdidas enquanto o combate se intensificava ao seu redor. Nenhum membro da equipe de MSF foi morto durante esse incidente, no entanto, o trauma pelo qual passaram permanece muito real, mais de um mês depois.

Todas as estradas de Macomia foram bloqueadas quando os insurgentes entraram na vila. A única maneira de escapar da violência em erupção era fugir para o mato.

Um membro da equipa da MSF, que pediu anonimato, relatou o horror daquele dia. “A única maneira de escapar era pelos arbustos dos fundos do hospital. Fugi da área quando ouvi disparos em torno de Macomia. A cidade inteira estava na correr em direção do mato. Éramos pelo menos umas mil pessoas, entre homens, mulheres, idosos, crianças e até doentes, todos a fugir ao som dos tiros. Era como o fim do mundo”

“As pessoas estavam a correr aterrorizadas”, conclui.

Após o ataque de 28 de maio, nenhum relatório oficial foi divulgado, mas a MSF recebeu relatos de que, pelo menos, terão perdido a vida 15 pessoas, incluindo diversas crianças.

Médicos Sem Fronteiras suspendem atividades em Cabo Delgado

Artigos relacionados
BrasilMoçambique

Graça Machel: “Nenhum país trata as mulheres como seres completos”

MoçambiqueSociedade

Vila de Mocímboa da Praia com cenário de "grande destruição"

MoçambiqueSociedade

Terroristas raptaram 27 em Cabo Delgado em apenas duas semanas

Assine nossa Newsletter