Cultura macaense “vai sobreviver” - Plataforma Media

Cultura macaense “vai sobreviver”

A capacidade de adaptação dos macaenses faz dessa comunidade tradicionalmente com “mais legitimidade em Macau”. O presidente da Associação dos Macaenses lembra que, ao longo de mais de 400 anos de História,  os macaenses marcaram sempre o ritmo e a capacidade de adaptação às mais várias circunstâncias, aos altos e baixos das circunstâncias económicas e políticas da cidade.

Marcados por uma alma bilingue, os macaenses têm no seu ADN uma capacidade de antecipar as circunstâncias históricas e preparar as gerações seguintes para as realidades que se adivinham. Foi assim com a fundação de Hong Kong e o fenómeno da emigração, dada a dificuldade de garantir “condições dignas de vida” face à crise económica; foi assim depois da Segunda Grande Guerra… Há cerca de 20 anos, “percebendo o que vinha aí”, as famílias macaenses começaram a dar aos seus filhos uma educação focada “na língua chinesa”. Hoje, frisa Senna Fernandes, “as novas gerações dominam o cantonense e o mandarim”, para além do português, estando por isso preparadas para o futuro. “É mais um desafio” que a comunidade vencerá, “como sempre” e “como tantos outros”, conclui.

Veja o debate completo completo sobre a identidade de Macau, com Carlos Morais José, José Sales Marques (economista e presidente do Instituto de Estudos Europeus) e Miguel Senna Fernandes (advogado, presidente da Associação dos Macaenses), moderado por Paulo Rego (diretor geral do Plataforma Macau).

Artigos relacionados
Lusofonia

As diferenças na construção da identidade nacional

Lusofonia

Os PALOP sentem-se muitas vezes pouco africanos

MacauSociedade

A identidade do abraço ao outro

Lusofonia

"Timor, uma Babel onde pessoas não conseguem quase comunicar"

Assine nossa Newsletter