PEQUIM COM PRESSA DE RESOLVER TAIWAN - Plataforma Media

PEQUIM COM PRESSA DE RESOLVER TAIWAN

 

Todas as opções estão abertas para a ilha nacionalista, incluindo a militar, anunciou um general chinês

 

A China quer resolver o quanto antes o problema de Taiwan e “não exclui” o recurso à força, afirmou um general chinês depois da derrota eleitoral do partido taiwanês no poder, favorável a uma aproximação a Pequim.

“A questão de Taiwan não vai ficar muito tempo sem solução”, disse o general Liu Jingsong, segundo declarações publicadas no sábado pelo jornal Global Times na sua página de Internet em chinês. Taiwan – a ilha onde se refugiou o governo da antiga República da China quando o Partido Comunista Chinês (PCC) tomou o poder no continente, há 65 anos – é vista por Pequim como uma província chinesa e não uma entidade politica soberana.

“Não vamos renunciar absolutamente ao uso da força, ao recurso legítimo a meios militares quando necessário, essa é uma opção”, acrescentou o general Liu, antigo chefe do Instituto chinês das ciências militares. “Esta situação embaraçosa não pode continuar”, apontou.

As suas declarações surgem menos de uma semana depois da derrota do partido Kuomintang (KMT), no poder em Taiwan, nas eleições locais realizadas no fim de semana passado na Formosa.

O partido do Presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, obteve apenas 40,7% dos votos contra 47,5% da formação da oposição, o Partido Democrático Progressista (DPP), tradicionalmente cético em relação a Pequim.

Nas 22 autarquias em disputa, o KMT, favorável ao diálogo com o Pequim, conquistou apenas seis e o DPP, partidário da independência, treze.

As relações Pequim-Taiwan agudizaram-se entre 2000-2008, quando o DPP governou a ilha, mas após o regresso ao poder do KMT, há seis anos, entrou num período de desanuviamento sem precedentes. Pela primeira vez desde o final da guerra civil chinesa foram restauradas as ligações aéreas diretas entre o continente e a ilha.

O general advertiu ainda no Global Times que a China “não deve ter medo da turbulência”. Para Liu “pouco importa qual é o poder político em Taiwan, só há um caminho possível (para a ilha): trabalhar no desenvolvimento das relações pacíficas (com a China) e finalmente concretizar a reunificação”.

Pequim defende a “reunificação pacífica” com Taiwan segundo a mesma formula adotada em Macau e Hong Kong (“um país, dois sistemas”), mas admite “usar a força” se a ilha declarar a independência.

Ao contrário do DDP, o KMT reconhece que “só há uma China” no mundo e oficialmente Taiwan continua a identificar-se como “Republica da China” (sem o adjetivo “Popular”, usado pelo governo de Pequim).

Uma boa parte da opinião pública de Taiwan está preocupada com a crescente influência da China sobre a ilha. Em março deste ano, a ratificação de um acordo de livre comércio com a China provocou grandes manifestações e a ocupação do Parlamento de Taipé pelos estudantes.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter