UMA CIDADE AINDA BARATA NA ÁSIA - Plataforma Media

UMA CIDADE AINDA BARATA NA ÁSIA

Macau é dos locais mais baratos para os expatriados viverem na Ásia, segundo um estudo tornado público recentemente e que indica Caracas como a cidade mais cara do mundo no ranking mundial. Na região da Ásia-Pacífico, Macau ocupa o 35.º lugar de uma tabela dos 63 países e territórios mais caros da região, apresentando-se, assim, como uma das cidades com um menor custo de vida comparativamente à maioria das cidades da China continental.

O primeiro lugar da tabela, elaborada pela empresa de estudos de mercado ECA, é ocupado pela capital japonesa, Tóquio, seguindo-se Seul, na Coreia do Sul, Xangai e Pequim, na China continental. De acordo com o estudo, em toda a Ásia-Pacífico, um expatriado só consegue, comparativamente a Macau, gastar menos dinheiro por dia em países menos desenvolvidos como o Vietname, Indonésia, Mongólia e Paquistão. Quando o custo de vida é comparado com países como o Japão, Austrália, Coreia do Sul – ou mesmo Hong Kong e Taiwan – Macau é considerado um bom lugar para poupar dinheiro.

O ranking da ECA é baseado nos preços de bens e serviços, incluindo alimentação como a carne e peixe, vestuário, refeições fora de casa, produtos eletrônicos, bebidas e tabaco. A pesquisa excluiu certos elementos da vida quotidiana como despesas de arrendamento, eletricidade, gás e água, automóveis e mensalidades escolares, porque, por norma, estas despesas estão incluídas nas regalias concedidas pelas empresas que contratam expatriados.

Em Macau, e apesar da inflação, o custo da habitação, quer para arrendamento quer para compra, tem registado fortes subidas nos últimos anos. Numa análise ao ranking mundial, Caracas, a capital da Venezuela, tornou-se o local mais caro para um expatriado viver, subindo 32 posições e destronando Oslo, na Noruega, e Luanda, em Angola, consideradas as cidades mais caras em 2013. Tóquio abandonou as dez primeiras posições para se fixar em 11.º lugar, enquanto Hong Kong subiu da posição 37, em 2013, para a 29.ª, devido ao aumento de 4% dos preços e à descida na tabela de várias cidades australianas devido à depreciação do dólar australiano.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter