O que Sheinbaum propõe em temas-chave para o México, de energia a militarização

São os "cem passos para a transformação do país", diz em seu programa de governo Claudia Sheinbaum, eleita no domingo (2) a primeira mulher presidente do México. Muitos deles replicam o que já prometia o seu antecessor e padrinho político, o populista Andrés Manuel López Obrador. Outros, nem tanto

por Mei Mei

Apoiada por um número recorde de eleitores, Sheinbaum afirma no documento de mais de 300 páginas que irá reformar a Suprema Corte e o Instituto Nacional Eleitoral, órgãos autônomos; diz que fortalecerá as políticas assistencialistas e os incentivos à transição energética. Promete uma gestão “humanista, mas de austeridade”.

Veja os principais pontos da sucessora de López Obrador, que herda um país com altos índices de violência, uma matriz energética suja e um desafio crescente de aproveitar o deslocamento das cadeias de produção globais para o seu território, no chamado nearshoring.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!