Flexibilização das restrições de mercado aumenta transações e estabiliza preços

Passou mais de um mês desde a flexibilização das restrições ao imobiliário, a 20 de abril, e o mercado melhorou com os vários apartamentos novos colocados para venda. Segundo Franco Liu, diretor-geral da Savills (Macau) Limited, após a flexibilização das restrições, os preços dos apartamentos pequenos e grandes voltaram gradualmente a níveis de mercado razoáveis, mas a proporção de compradores não locais permaneceu baixa. A curto prazo, o responsável acredita que o volume de transações continuará a aumentar, enquanto os preços dos imóveis permanecerão baixos. Com a absorção dos fatores negativos e o aumento dos cortes nas taxas de juros nos EUA, a economia eventualmente regressará ao nível pré-pandemia, e o mercado imobiliário associado vai estabilizar e melhorar.

por Gonçalo Lopes

Segundo a Direcção dos Serviços de Finanças, verificaram-se 168 transações residenciais declaradas para pagamento do imposto de selo sobre transmissões de bens na segunda metade de abril – 67 a mais do que na primeira metade. O preço médio por metro quadrado de área útil durante esse período foi de 90.963 patacas, um aumento de 13,4 por cento em comparação com as 80.220 patacas na primeira metade do mês.

Liu mencionou que a abolição do imposto de selo de 5 por cento sobre a segunda habitação atraiu alguns investidores para o mercado, aumentando as transações significativamente – de cerca de 10 para mais de 30 por cento.

Para Liu, o desejo dos compradores de entrar no mercado foi ressuscitado. Os promotores imobiliários não pensam aumentar os preços por agora; pelo contrário, estão focados em reduções, promoções e escoamento. Por seu lado, os compradores e investidores estão à espera que os promotores ofereçam concessões antes de entrar no mercado.

Desde a flexibilização das restrições no mercado imobiliário, quatro grandes desenvolvimentos imobiliários reiniciaram os seus planos de venda, oferecendo várias concessões. Entre eles, os principais alvos de venda foram grandes apartamentos, nomeadamente unidades de dois e três quartos com 1.000 pés quadrados ou mais, que até então tinham pouca procura. Quase 70 unidades residenciais foram vendidas em apenas uma semana, um volume que, adicionado às transações do primeiro trimestre deste ano, aproxima-se do número de apartamentos não concluídos transacionados no ano passado. Como os consumidores preferem apartamentos novos, os promotores estão focados nesse mercado, enquanto o mercado de imóveis usados permanecerá calmo a curto prazo.

Atualmente, os compradores não residentes também não são obrigados a pagar impostos elevados, mas isto não resultou num aumento significativo do número de compradores não locais. Como em Hong Kong e China Continental têm os seus próprios mercados de investimento, os compradores ainda estão atentos a Macau, mas sem um desejo forte de entrar no mercado.

O dirigente da Savills acrescenta que, a curto prazo, o volume de transações no mercado imobiliário de Macau continuará a crescer, enquanto os preços dos imóveis permanecerão baixos e estáveis. Com a recuperação do turismo, da indústria do jogo e melhoria da situação laboral, a economia de Macau eventualmente retornará ao nível pré-pandémico, defende, acrescentando, que os cortes nas taxas de juros nos Estados Unidos manterá um crescimento estável do mercado local a médio e longo prazo.

Artigo publicado no âmbito da parceria com o Macau Daily News

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!