Início Atualidade Afeganistão considerado o país mais repressivo do mundo para as mulheres

Afeganistão considerado o país mais repressivo do mundo para as mulheres

A Organização das Nações Unidas (ONU) considerou hoje que o Afeganistão se tornou, desde a tomada do poder pelos talibã, o país mais repressivo do mundo para as mulheres e meninas, privadas de muitos direitos básicos.

Num comunicado divulgado no Dia Internacional da Mulher, a missão da ONU no Afeganistão disse que os novos governantes do país mostraram um “foco quase singular na imposição de regras que deixam a maioria das mulheres e meninas efetivamente presas nas suas casas”.

Apesar das promessas iniciais de uma postura mais moderada, os talibã impuseram medidas duras desde que assumiram o poder, em agosto de 2021, quando as forças dos EUA e da NATO estavam nas últimas semanas da sua retirada do Afeganistão, após duas décadas de guerra.

Os talibã baniram a educação de meninas além do sexto ano de escolaridade e proibiram as mulheres de frequentarem espaços públicos como parques e ginásios.

As mulheres também estão proibidas de trabalhar em organizações não-governamentais nacionais e internacionais e obrigadas a andar cobertas da cabeça aos pés.

“O Afeganistão, sob o regime talibã, continua a ser o país mais repressivo do mundo em relação aos direitos das mulheres”, disse Roza Otunbayeva, representante especial do secretário-geral da ONU e chefe da missão no Afeganistão.

“Tem sido angustiante testemunhar os seus esforços metódicos, deliberados e sistemáticos para expulsar as mulheres e meninas afegãs da esfera pública”, acrescentou.

As restrições, especialmente as proibições de educação e trabalho em organizações não governamentais, receberam uma forte condenação internacional, mas os talibã não dão sinais de ceder, alegando que as proibições são suspensões temporárias, supostamente porque as mulheres não usavam corretamente o lenço islâmico, ou hijab, e negando qualquer segregação de género.

Quanto à proibição do ensino universitário, o governo dos talibã alega que algumas das disciplinas ensinadas não estavam de acordo com os valores afegãos e islâmicos.

“Confinar metade da população do país nas suas casas numa das maiores crises humanitária e económica do mundo é um ato colossal de autoagressão nacional”, disse Otunbayeva.

“Isso condenará não apenas mulheres e meninas, mas todos os afegãos à pobreza e dependência de ajuda para as próximas gerações”, insistiu a responsável, acrescentando: “Isolará ainda mais o Afeganistão dos seus próprios cidadãos e do resto do mundo”.

A missão da ONU no Afeganistão também disse ter registado um fluxo quase constante de decretos e medidas discriminatórias contra as mulheres desde a tomada do poder pelos talibã – o direito viajar ou trabalhar fora dos limites das suas casas e o acesso a espaços públicos são amplamente restritos. As mulheres estão igualmente afastadas de todos os níveis de decisão pública.

“As implicações dos danos que os talibã estão a infligir aos seus próprios cidadãos vão além de mulheres e meninas”, disse Alison Davidian, representante especial das Nações Unidas.

Nenhum funcionário do governo liderado pelos talibã esteve disponível para comentar estas posições das Nações Unidas.

O Conselho de Segurança da ONU deve reunir-se hoje com Otunbayeva e mulheres representantes de grupos da sociedade civil afegã.

De acordo com o comunicado, 11,6 milhões de mulheres e meninas afegãs precisam de assistência humanitária.

No entanto, os talibã estão e minar o esforço de ajuda internacional ao proibir mulheres de trabalharem para organizações não governamentais.

*Com Lusa

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!