UE e NATO comprometem-se a aumentar apoio à Ucrânia - Plataforma Media

UE e NATO comprometem-se a aumentar apoio à Ucrânia

Os principais líderes da União Europeia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) prometeram, nesta terça-feira (10), fortalecer o apoio à Ucrânia e aprofundar sua cooperação.

Há anos, ambas têm como objetivo aprofundar sua relação, apesar dos temores de que um papel europeu reforçado na defesa possa minar a aliança militar liderada pelos Estados Unidos.

“Devemos continuar reforçando nossa parceria entre a Otan e a UE. E devemos fortalecer ainda mais nosso apoio à Ucrânia”, disse o secretário-geral da aliança militar, Jens Stoltenberg, em entrevista coletiva conjunta.

Leia também: Forças ucranianas resistem a “ataques violentos” em cidade do leste

A presidente da Comissão Europeia (braço executivo da UE), Ursula von der Leyen, expressou sua convicção de que “a Ucrânia deve obter todo equipamento militar que possa administrar para defender a pátria”.

“Isso significa, claro, sistemas avançados de defesa aérea, mas também outros tipos de equipamentos militares avançados, desde que seja necessário para defender a Ucrânia”, completou. 

Desde o início da ofensiva da Rússia contra a Ucrânia, os países da UE e da Otan enviaram bilhões de dólares em equipamentos e armas para as Forças Armadas ucranianas, o que lhes permitiu enfrentar a guerra.

Leia também: Guterres considera cessar-fogo na Ucrânia positivo mas pede solução para o conflito

Estados Unidos, Alemanha e França anunciaram sua disposição de também fornecer veículos blindados, mas o governo ucraniano agora pede tanques pesados modernos. 

Nesse sentido, Stoltenberg antecipou que representantes do bloco terão uma reunião com o ministro ucraniano da Defesa, Oleksiy Reznikov, na próxima semana, para discutir “exatamente quais tipos de armas são necessários e de que forma os aliados podem fornecê-las”. 

Stoltenberg acrescentou, porém, que “não se trata apenas de agregar mais sistemas, mais plataformas, mais armas, mas também de garantir que as plataformas e armas que já fornecemos funcionem como deveriam”. 

A guerra na Ucrânia levou UE e Otan a impulsionarem uma maior cooperação entre as duas instituições. Como consequência desse conflito, outros dois países do bloco europeu – Suécia e Finlândia – iniciaram o processo de adesão à aliança transatlântica.

Leia também: Ucrânia: Zelensky pede mais veículos blindados para derrotar “Estado terrorista”

Hoje, 21 dos 27 países da UE também são membros da Aliança Atlântica. 

Em uma declaração conjunta, as duas organizações ressaltaram que a Otan continua sendo o pilar central da segurança europeia, deixando de lado as tentativas da UE de aumentar sua autonomia em matéria de defesa.

“Nossa declaração deixa claro que a Otan continua sendo a base da defesa coletiva e continua sendo essencial para a segurança euro-atlântica”, completou Stoltenberg.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoPolítica

Zelensky poderá ir a Bruxelas durante esta semana

MundoPolítica

Putin demite alto funcionário do Conselho de Segurança da Rússia

Mundo

Espanha 'disposta' a enviar tanques Leopard para Ucrânia após autorização de Berlim

EconomiaMundo

Alemanha autoriza entrega de tanques Leopard à Ucrânia

Assine nossa Newsletter